Jornalista denuncia que seguranças de Bolsonaro apontaram arma para a imprensa

Carla Bridi publicou relato em suas redes sociais denunciando o ocorrido

Foto: TwitterCarla Bridi, jornalista da CNN Brasil
Carla Bridi, jornalista da CNN Brasil

A jornalista Carla Bridi, da rede CNN Brasil, fez um relato em suas redes sociais neste domingo (2) sobre ameaças sofridas por ela e outros repórteres que cobriam a coletiva de imprensa convocada pelo presidente Jair Bolsonaro para tratar sobre as negociações com a Rússia sobre a liberação de um brasileiro preso no país.

Durante a coletiva, Bolsonaro disse que trataria de um tema único: a liberação de Robson Nascimento de Oliveira, ex-motorista do meia Fernando, que foi detido pelas autoridades russas por usar medicamento tarja preta que não era permitido no país.

O mandatário relatou que conversou com o embaixador da Rússia, mas só trouxe esse assunto à tona. Jornalistas, então, questionaram se eles não trataram sobre a vacina Sputnik V, desenvolvida pelo Centro Gamaleya. De forma agressiva, ele se negou a falar e encerrou a entrevista.

“Após o pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro à imprensa – que falou de tratativas com a Rússia sobre a liberação de um brasileiro preso no país, mas sem uma palavra sobre vacinas – começou a hostilização contra a imprensa”, disse Bridi em seu perfil no Twitter.

Confira o relato da jornalista, feito no Twitter: