Hoje: energia mais cara e conta do Amapá ainda não entrou

Será acionada a bandeira vermelha patamar 2 durante todo o mês de dezembro

Foto: GP1Tarifa de energia aumenta a partir desta terça (1)
Tarifa de energia aumenta a partir desta terça (1)

A conta de luz terá tarifa extra a partir desta terça-feira (1º), definiu a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica).

De acordo com a reguladora, será acionada a bandeira vermelha patamar 2 durante todo o mês de dezembro, o que representa uma cobrança de R$ 6,24 a mais a cada 100 kWh consumidos.

Esta é a primeira vez desde o início da pandemia de Covid-19 que a Aneel decide acionar uma bandeira tarifária não isenta de cobrança.

Em maio, a reguladora havia decidido manter a bandeira verde (sem cobrança extra) acionada até 31 de dezembro, mas a queda no nível de armazenamento nos reservatórios das hidrelétricas e a retomada do consumo de energia levaram à revisão da decisão tomada em reunião extraordinária nesta segunda-feira (30).

Criado pela Aneel, o sistema de bandeiras tarifárias funciona como uma sinalização para que o consumidor de energia elétrica conheça, mês a mês, as condições e os custos de geração no país.

Quando a produção nas usinas hidrelétricas (energia mais barata) está favorável, aciona-se a bandeira verde, sem acréscimos na tarifa. Em condições ruins, podem ser acionadas as bandeiras amarela, vermelha 1 ou vermelha 2.

"Com o anúncio da bandeira vermelha patamar 2 é importante que os consumidores busquem evitar o desperdício de água e energia", disse o diretor-geral da Aneel, André Pepitone.

-Bandeira verde: condições favoráveis de geração de energia. A tarifa não sofre nenhum acréscimo;

-Bandeira amarela: condições de geração menos favoráveis. A tarifa sofre acréscimo de R$ 1,34 por 100 kWh consumidos;

-Bandeira vermelha - Patamar 1: condições mais custosas de geração. A tarifa sofre acréscimo de R$ 4,16 por 100 kWh consumidos;

-Bandeira vermelha - Patamar 2: condições ainda mais custosas de geração. A tarifa sofre acréscimo de R$ 6,24 para cada 100 kWh.

Bolsonaro se defende sobre aumento na conta de luz

O presidente Jair Bolsonaro se defendeu de comentários sobre o aumento nacional na conta de energia. Bolsonaro afirmou que os reservatórios estão com “níveis baixíssimos” e que há “risco de apagão” se nada for feito.

Bolsonaro fez o comentário pelo Facebook, nesta terça (1), ao responder um internauta que foi irônico.“A conta de luz vai aumentar. Obrigado PR”, disse o usuário.

O presidente, então, disse: “As represas estão (com) níveis baixíssimos. Se nada fizermos poderemos ter apagões. O período de chuvas, que deveriam começar em outubro, ainda não veio.”

O aumento foi anunciado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Na segunda (30), a agência aprovou a retomada do sistema de bandeiras tarifárias na conta de luz.

O mecanismo havia sido suspenso em maio devido à pandemia do novo coronavírus, e a Aneel havia acionado a bandeira verde, sem cobrança de taxa extra, até o fim deste ano. A agência, no entanto, informou que as condições atuais não permitem mais manter a bandeira verde acionada. Por isso, a partir de terça-feira, as tarifas terão bandeira vermelha em seu segundo patamar, com uma taxa extra de R$ 6,243 a cada 100 kWh.

O diretor Efrain Pereira da Cruz mencionou “afluências críticas” nos principais reservatórios do País, no Sudeste e Centro-Oeste, além do Sul, e deterioração nos meses de outubro e novembro. Isso levou ao acionamento de termelétricas, o que pressionou o custo de geração de energia no País diante de uma “oferta adversa”.

Em 13 de novembro, o pensarpiauí noticiou que o Ministério de Minas e Energia havia publicado uma portaria prevendo que todos os consumidores do país bancarão uma parte dos gastos para restabelecer o fornecimento de energia no Amapá, atingido por um apagão na noite do dia 3 de novembro.

O dinheiro arrecadado será usado para contratação emergencial de usinas térmicas. Os custos serão embutidos na conta de luz dos consumidores por meio do ESS (Encargo de Serviços do Sistema). A conta será rateada entre os consumidores atendidos pelas distribuidoras, como os residenciais, e pelos que trabalham no chamado mercado livre, como indústrias, de acordo com o jornal O Estado de S.Paulo.

Portando o consumidor ainda poderá ter notícias de majorção de preços de energia levando em conta os problemas ocorridos no Amapá.

Veja mais detalhes em: Você, piauiense, vai pagar na conta de energia prejuízos do Amapá