Governo produz dossiê que denomina jornalistas como “detratores”, “neutros” e “favoráveis”

Relatório propõe "monitoramento preventivo" de alguns influenciadores. Ao todo, lista cita 81 profissionais

Foto: Brasil 247Bolsonaro
Bolsonaro e sua perseguição a jornalistas 

O governo de Jair Bolsonaro contratou uma empresa de comunicação que produziu um dossiê contra 81 jornalistas e outros “formadores de opinião”. Apesar do monitoramento ser corriqueiro no atual governo, o relatório vai além ao classificar os profissionais como “detratores”, “neutros informativos” e “favoráveis”.

Segundo reportagem de Rubens Valente, no UOL, entre os “detratores” citados no dossiê estão jornalistas como Vera Magalhães, Guga Chacra, Xico Sá, Hildegard Angel, Cynara Menezes, Carol Pires, Cláudio Dantas, Luis Nassif, Brunno Melo, Igor Natusch, George Marques, entre outros.

O relatório também cita professores universitários, como Silvio Almeida, Laura Carvalho, Jessé Souza, Claudio Ferraz e Sabrina Fernandes. Influenciadores como Felipe Neto, Nathália Rodrigues e Jones Manoel também entraram para a lista de “detratores”.

Os oito “neutros informativos” citados são Alex Silva, Malu Gaspar, Altair Alves, Cristiana Lôbo, Mônica Bergamo, Marcelo Lins, Ricardo Barboza e Octávio Guedes.

Já os “favoráveis” ao governo são jornalistas como Roger Rocha Moreira, Milton Neves, Rodrigo Constantino, Guilherme Fiuza, Winston Ling, Camila Abdo, Tomé Abduch, entre outros.

Monitoramento preventivo

Segundo a coluna de Rubens Valente, o relatório também cita medidas para lidar com os jornalistas e influenciadores, como “monitoramento preventivo” de publicações.

O levantamento, intitulado “Mapa de influenciadores”, analisou postagens do mês de maio de 2020 sobre o Ministério da Economia e o ministro Paulo Guedes. O documento foi produzido pela BR+ Comunicação, que tem um contrato com o Ministério de Ciência e Tecnologia no valor total de R$ 2,7 milhões.