Ceará: Governo anuncia pagamento de meio salário mínimo a mais a cada novo contratado

Medida valerá para os primeiros 20 mil trabalhadores admitidos nos setores de comércio e serviços do estado

Foto: ReproduçãoCamilo Santana (PT)
Camilo Santana (PT)

O governador do Ceará, Camilo Santana (PT), anunciou hoje, durante uma live, que encaminhará na quarta-feira (14) um Projeto e Lei para a Assembleia Legislativa que prevê o pagamento de meio salário mínimo aos trabalhadores contratados no comércio e no setor de serviços em todo o estado.

A proposta, que deverá ser aprovada em caráter de urgência até a próxima quinta-feira (15), contemplará os primeiros 20 mil funcionários admitidos nas empresas cearenses desses dois segmentos, e é parte das estratégias da gestão de Santana para retomar o crescimento econômico, fortemente atingido pela pandemia da Covid-19, assim como ocorreu em praticamente todo planeta.

Há um regramento detalhado em lei para os beneficiados pela medida, que não será aplicada aos empresários que demitirem funcionários para posteriormente recontratá-los, ou que ainda contratem novos trabalhadores após demissões.

“O que eu puder fazer não só pra atrair empresas para o Ceará, mas para criar políticas que possam estimular e incentivar crédito e empregos para os cearenses, nós vamos fazer”, disse o governador na transmissão, que fez ainda um apelo aos deputados estaduais pela celeridade na aprovação do Projeto de Lei.

“Peço aos parlamentares uma votação em regime de urgência para aprovação de mais essa lei que vai beneficiar 20 mil cearenses”, pediu.

Nos próximos dias o governador deve anunciar ainda os contemplados pelo programa estadual Ceará Credi, que liberará crédito e treinamentos de capacitação para microempreendedores locais, como forma de fomentar a retomada econômica no estado.

O Ceará, de acordo com os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), é o segundo estado da região Nordeste com mais contratações nos primeiros cinco meses de 2021. Foram 24 mil trabalhadores que conseguiram uma nova renda formal por lá.

Com informações da Revista Fórum