Vídeo: Durante rebelião em presídio, presos fazem transmissão ao vivo

Informações preliminares apontam que há presos feridos no local

Foto: Redes SociaisPresos usaram até as redes sociais para fazer uma live de dentro do presídio
Presos usaram até as redes sociais para fazer uma live de dentro do presídio

Rebelados, os presos da Penitenciária Coronel Odenir Guimarães (POG), no Complexo Prisional em Aparecida de Goiânia, na região metropolitana da capital goiana, fizeram uma live no início da tarde desta sexta-feira (19/2) para relatar a situação.

Informações preliminares apontam que há presos feridos no local. Vídeos que circulam pelas redes sociais mostram um princípio de incêndio na unidade. Áudios também indicam barulhos de explosões.

O movimento no presídio seria uma reação dos detentos à ação das forças de segurança na manhã desta sexta-feira (19/2).

Veja o vídeo:

“Isso aqui aconteceu por causa do diretor, ele quer oprimir ‘nóis’ , ‘tamo’ dando a resposta. Quis dar sabão pra gente comer. Tão dando tiro de verdade em nós. Também temos família. Cadê os Direitos Humanos? Só passam pano para estuprador, que come o filho dos outros. Estamos reivindicando os nossos direitos”, afirma um dos presos na live.

O fato ocorre apenas um dia após a morte de um vigilante penitenciário temporário e da mulher dele, na saída do presídio. Duas pessoas apontadas como envolvidas no duplo homicídio foram mortas em confronto com policiais militares na noite de quinta-feira (18/2) em Goiânia. Uma terceira foi presa.

De acordo com informações do Metrópoles, o presidente do Sindicato do Sistema de Execução Penal do Estado de Goiás (Sinsep-GO), Maxsuell Miranda das Neves, confirmou que os presos estão amotinados. A Diretoria Geral de Administração Penitenciária (DGAP) não corroborou a informação e disse que estava buscando mais detalhes sobre o caso.

A seção local da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e o Ministério Público do Estado de Goiás (MPGO) enviaram representantes para averiguar a situação. Familiares de presos fazem vigília na porta do presídio.

Foto: MetrópolesFamiliares em frente a Penitenciária Coronel Odenir Guimarães (POG)
Familiares em frente a Penitenciária Coronel Odenir Guimarães (POG)

Duplo homicídio

O vigilante penitenciário temporário de Goiás Elias de Souza Silva, de 38 anos, foi assassinado a tiros com sua mulher, na manhã desta quinta-feira (18/2), depois de ter sido alvo de uma tentativa de suborno em serviço e de conter motim de presos, no dia 1º de fevereiro deste ano, no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia.

O duplo homicídio ocorreu logo após o vigilante sair do plantão de 24 horas e se encontrar com a mulher dele. A identidade dela ainda não foi divulgada.

Silva vivia aterrorizado por conta de revista que gerou conflito com presos por roubo, no início do mês. A juíza Lílian Margareth, do Juizado Especial Criminal de Aparecida de Goiânia, recebeu na quinta o processo referente ao motim de presos, que foi contido por ele e policiais.