Pensar Piauí

Internet também é amor: criança com paralisia cerebral recebe visita da melhor amiga e emociona

Arthur é natural de Teresina (PI) e foi diagnosticado com paralisia cerebral aos cinco meses de vida

Foto: DivulgaçãoArthur  e sua amiga

razõespara acreditar - Um vídeo adorável de um garoto de 4 anos com paralisia cerebral recebendo a visita de sua melhor amiga pela primeira vez conquistou a internet.

A emocionante cena foi registrada pela advogada Laura Nascimento, mãe do pequeno Arthur, e rapidamente se tornou viral nas redes sociais.

No Instagram de Laura, o vídeo ganhou destaque e já acumula mais de 750 mil visualizações no TikTok. Além disso, centenas de pessoas se comoveram com a genuinidade da situação e expressaram seu apoio com curtidas e comentários carinhosos.

“As crianças, desde muito cedo, enxergam as diferenças entre as pessoas e fazem perguntas sobre isso! Esse tipo de curiosidade é natural e cabe aos adultos dar aos pequenos respostas respeitosas, que valorizem a diversidade humana e incentivem o convívio entre todos! É importante não se referir a pessoas com deficiência com tom ou palavras que tenham denotação de inferioridade”, escreveu Laura.

Um encontro de almas

Arthur, natural de Teresina (PI), foi diagnosticado com paralisia cerebral aos cinco meses de vida. Apesar dos desafios que a condição impõe, seus pais decidiram matriculá-lo na escola no ano passado, com receios sobre como ele seria recebido.

Porém, a experiência foi extremamente positiva e trouxe uma surpresa maravilhosa para o garoto: ele encontrou sua melhor amiga. 

“Desconstruir a ideia de que a criança com deficiência é vítima ou uma pessoa especial é o primeiro passo para educar para a diversidade! Incentive a convivência com pessoas com deficiência, trate a pessoa com deficiência sem rótulos, convide a criança a observar suas habilidades, permita uma conversa franca sobre o assunto! Ouça atentamente as dúvidas das crianças e, se não souber, convide ela a pesquisarem juntos! A informação é o que temos de melhor em relação à inclusão e à deficiência. Com a informação prevenimos o preconceito! E que amizades como a do Arthur e da Heloísa inspirem pais a estimular e valorizar a amizade e o respeito às crianças com deficiência”, concluiu Laura.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS