Homem armado invade sala de aula na UFPI, faz arrastão e tranca alunos em Teresina

Pelo menos 25 alunos e uma professora ficaram trancados na sala de aula após o arrastão

Foto: Redes SociaisAlunos da UFPI
Alunos da UFPI

 

PiauíHoje - Estudantes da Universidade Federal do Piauí (UFPI) viveram momento de terror na noite dessa quinta-feira (22), no campus Ministro Petrônio Portella, bairro Ininga, na zona Leste de Teresina. Segundo informações, um homem armado invadiu a sala de aula e trancou alunos e professores do curso de Pedagogia. 

O caso ocorreu no Centro de Ciência da Educação (CCE). Pelo menos 25 alunos do 5º período do curso de pedagogia estavam assistindo aula por volta das 20h20 quando o homem chegou e ordenou que todos passassem os celulares.

Alunos relataram que o assaltante chegou dando boa noite e logo em seguida disse para todos baixarem a cabeça e deu ordem para a professora recolher os celulares. O criminoso ainda ficou amedrontando os alunos e a professora, mostrando a arma de fogo e dizendo  que ninguém poderia sair da sala de aula,  O homem recolheu celulares, joias e outros pertences, e saiu deixando os alunos trancados. 

Os alunos só conseguiram sair da sala quando o pai de uma aluna chegou e junto com os seguranças da UFPI conseguiram arrebentar o cadeado utilizado para trancar a turma.  Desde o retorno das aulas presenciais, a UFPI vem sendo alvo de criminosos e os alunos se sentem inseguros.

UFPI SE MANIFESTA

A Universidade Federal do Piauí (UFPI) divulgou uma nota se manifestando sobre o ocorrido, lamentando a situação e informando que presta solidariedade aos alunos vítimas do arrastão.  Na nota, a UFPI informou que quase 200 profissionais, entre vigilantes desarmados e armados, efetivos e terceirizados, atuam no campus de Teresina. 

VEJA A NOTA:

A Universidade Federal do Piauí (UFPI) informa que mantém ações permanentes para garantir a segurança da comunidade acadêmica, não medindo esforços nesse sentido. No campus de Teresina, a Coordenadoria de Segurança e Vigilância atua com quase 200 profissionais, entre vigilantes desarmados e armados, efetivos e terceirizados. Em horários de pico, as ações se intensificam com duas viaturas e três motos que fazem rondas no campus.

Além disso, são realizadas rondas frequentes por viaturas da Polícia Militar, parceria sempre valorizada pela atual gestão da Universidade. A limpeza de espaços e vias e a manutenção da iluminação se somam às ações voltadas ao conforto e segurança da comunidade acadêmica.
A UFPI lamenta o ocorrido no Centro de Ciências da Educação (CCE) e se solidariza com seus professores, estudantes e servidores técnico-administrativos, ao tempo em que reafirma o compromisso em permanecer atuando em prol do bem-estar de seus públicos.

Nesse sentido, providências já estão sendo adotadas, com medidas como: reforço das atividades de segurança no campus; instalação de um número maior de câmeras na Universidade; intensificação no monitoramento das entradas de acesso às unidades de ensino; interlocução com o Governo do Estado e órgãos competentes, a exemplo da Polícia Militar.

Como espaço democrático e sendo o Campus Ministro Petrônio Portella cortado por várias vias de uso público na cidade de Teresina, a UFPI esclarece que as medidas adotadas respeitam esse contexto, valorizando o diálogo com as esferas representativas na Instituição e trabalhando em atuação conjunta com os órgãos do setor de segurança no Estado.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS