Comeu o pastel da Maria Divina? Pum, morreu - ontem esta personagem deixou nossos estádios

Morreu Maria Divina que foi celebrada vendendo pasteis para torcedores do Albertão e Lindolfo Monteiro

Foto: FacebookFoto extraída do livro
Foto extraída do livro "As Caras de Teresina", de autoria do escritor Deusdeth Nunes (Garrincha) e publicada no facebook de Everardo Torres

O futebol do Piauí está mais triste. No amanhecer da segunda (30/03) veio a notícia: Maria Divina havia morrido.

Quem frequentou o Albertão e, principalmente, o Lindolfo Monteiro nas últimas décadas, sabe quem foi Maria Divina.

Mas ela se popularizou mesmo por conta do radialista e jornalista Deusdedth Nunes – o Garrincha. No rádio ou em sua coluna “O prego na chuteira”, ele popularizou um bordão para se referir àquela vendedora de pasteis: “Com Maria Divina é assim, comeu, pum, morreu”.

Com as brincadeiras do Garrincha, Maria Divina tornou-se mais um personagem a povoar nossos vazios estádios de futebol. Junto com Popó, o cabeça de pato; Pintinho, um ferrenho riverino e outros, Maria Divina entretinha  a torcida teresinense e aproveitava para “fazer a feira”.

Nos últimos anos por conta da idade avançada ela já não mais frequentava os estádios, mas sua filha e sua neta seguiram nas praças esportivas da capital levando os pasteis da Maria Divina. E quem comesse, pum, morria.

Em 2013, o Globo Esporte/PI publicou matéria com Maria Divina. Veja no link a seguir:

Pastel da Maria Divina é sensação nos estádios de Teresina

Foto: GloboPlayMaria Divina
Maria Divina