A carta do velho mestre (Lula) ao Congresso da UNE

A carta do velho mestre (Lula) ao Congresso da UNE

Foto: GoogleLula e UNE
Lula e UNE

Por Sérgio Fontenele, jornalista Os grandes líderes políticos, em todos os lugares, ao longo da história, têm uma característica em comum. É a capacidade de mobilizar, através da palavra, o povo, a população, os indivíduos, homens e mulheres, adultos e crianças, idosos e adolescentes, em nome de uma causa importante, maior, necessária, justa. Ao escrever para o 57º Congresso da União Nacional dos Estudantes (UNE), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva provou ser um grande líder. Não que ele precise provar nada a ninguém, mas sua carta mostra quem o é. É claro, a história registra que ele é um dos maiores líderes do Brasil – se não o maior –, em todos os tempos. A cada dia que passa, a dimensão de seu vulto histórico se torna mais evidente, consistente e insofismável. Queiram ou não o presidente Jair Bolsonaro, o ministro Sérgio Moro, os juízes, procuradores e policiais da Operação Lava Jato e os extremistas da direita brasileira. A condição e dimensão da liderança do petista é algo que não tem reparo, nem nunca terá. Por mais que a narrativa das elites tupiniquins queira dizer o contrário, distorcer os fatos, manipular as mentes. Na carta aos participantes do 57º Congresso da UNE, realizado em Brasília (DF), Lula, em poucas palavras, definiu a atual realidade política e social. Ao criticar o governo federal e as forças conservadoras que o sustentam, foi cirúrgico ao mostrar que a educação está sob ataque – um escândalo gigantesco, mas, ao ser descrito pelo ex-presidente, com realismo e objetividade, se mostra ainda mais chocante. “Simplesmente não consideram que educação e o conhecimento são importantes para a vida”, disse, assertivamente. Ignorância e tristeza dos tristes e ignorantes “Querem dominar pela ignorância, porque são ignorantes, além de individualistas.” É exatamente isso. Sua leitura e análise das pessoas que tomaram o poder de assalto, no Brasil, é reveladora, verdadeira. De fato, Bolsonaro e sua gente “não toleram a alegria e a liberdade, que eles chamam de balbúrdia”. Sobre quem hoje (des)governa o Brasil: “eles são a cara da tristeza e da opressão que desejam impor”. As palavras escritas na carta aos estudantes apontaram um caminho e renovaram a coragem para resistir. “A geração de vocês tem o desafio de lutar contra o atraso, contra a opressão e contra a ignorância.” Sem dúvida, cabe principalmente aos jovens o papel de defender a democracia, cidadania e soberania nacional. “Vocês aprenderam que as pessoas e o País podem melhorar muito quando ampliamos o acesso à educação”, completou Lula. A população brasileira verificou que, durante seu governo, houve inclusão social, crescimento econômico e grande avanço educacional, como jamais ocorreu no Brasil. O indicado ao Nobel da Paz, ao se dirigir aos jovens, defendeu a educação e os inspirou, através da carta, a impedir a destruição do País, ora em veloz curso deletério. Por isso, sua influência continua a crescer, não apenas nesta terra, mas em todo o planeta, mesmo preso político, perseguido implacavelmente pelo lawfare dos inimigos de toga, acusado, condenado e encarcerado sem provas. Nem mesmo as fraudes processuais destinadas a incriminá-lo, mas cada vez mais expostas pelo Intercept Brasil, conseguem deter sua influência e seu protagonismo. Confira a íntegra da carta: “Querida Mariana, juventude querida do meu Brasil, Fiquei muito feliz com o convite para participar do 57o. Congresso da UNE. É muito bom ser lembrado em momentos tão especiais, mesmo estando aqui onde estou, proibido há mais de um ano de ver de perto meus amigos e nosso povo. Que vontade de estar aí e sentir de perto a energia boa de vocês.

Antes de mais nada, quero dizer que que vocês me deram uma das maiores alegrias nesses tempos tão difíceis para o país. Fiquei emocionado ao saber que centenas de milhares de estudantes tomaram as ruas do Brasil nas jornadas de maio, para defender o que construímos juntos e que este governo quer destruir. Eles simplesmente não consideram que educação e o conhecimento são importantes para a vida de cada ser humano e para o país. Querem dominar pela ignorância, porque são ignorantes, além de individualistas. Não toleram a alegria e a liberdade que eles chamam de balbúrdia. Eles são a cara da tristeza e da opressão que desejam impor. Pelos jornais e pelos relatos que recebi, notei que foi intensa a participação de estudantes, inclusive de cidades do interior, naquelas manifestações tão bonitas. É o resultado do que nós plantamos, abrindo cursos universitários em mais de 170 cidades, criando as cotas, o Prouni, o Novo Fies; fazendo o que não foi feito pela educação em séculos.

Vocês me deixaram seguro de que o nosso legado está sendo muito bem defendido, com muita garra e muita consciência. Eu que já participei de tantos Congressos da UNE, sinto que este será tão importante como aquele de 40 anos atrás, quando uma outra geração de estudantes desafiou a ditadura para refundar o que haviam proibido. A geração de vocês tem o desafio de lutar contra o atraso, contra a opressão e contra a ignorância. Vocês aprenderam que as pessoas e o país podem melhorar muito quando ampliamos o acesso à educação. E agora podem ensinar como é importante lutar para que todos e todas, sem exceção, tenham educação de qualidade. Desejo de coração que façam um grande Congresso da UNE e que jamais desistam da alegria, da liberdade e da confiança no futuro que vocês estão construindo. Viva a nossa UNE! Viva a juventude do Brasil! Viva a democracia! Um abraço e um beijo do companheiro de sempre, Luiz Inácio Lula da Silva” Curitiba, 14 de julho de 2019