Economia

Flexibilizar piso da saúde e educação é um erro que beneficia o extremismo

"É um equívoco social, histórico e político inadmissível", diz Tiago Barbosa


Reprodução Flexibilizar piso da saúde e educação é um erro que beneficia o extremismo
Fernando Haddad e Simone Tebet

Por Tiago Barbosa, jornalista, no 247

É um equívoco social, histórico e político inadmissível mexer nos pisos de saúde e de educação para saciar metas fiscais em atendimento à voracidade do mercado. 

Essa linha não deve ser cruzada sob pena de rotular o governo como simulacro com verniz de esquerda do modelo neoliberal.

A definição constitucional prevê o mínimo às duas áreas contra oscilações políticas e ofensivas de gestores de toda ordem - é escudo contra a cobiça privada.

A flexibilização ameaça aportes porque sujeita a cenários momentâneos - uma insanidade em um país ideologicamente manobrado pela direita para tratar investimento como gasto supérfluo.

É erro histórico e político por identificar um governo de núcleo popular com o direitismo fracassado e culpado pelo esgarçamento do tecido social - gênese de um ódio difuso capitalizado pelo fascismo internacional.

O cenário mundial exige convicção e ação ideológicas contra esse modelo austero de sobreposição do capital ao bem-estar da coletividade - e ameaçar o mínimo é um ato suicida em benefício do extremismo.

Deixe sua opinião: