Video- Multidão canta para Lula na Argentina: “Vamos voltar”

O ex-presidente está na celebração do Dia da Democracia e dos Direitos Humanos na Argentina

Foto: Reprodução/Twitter Alberto FernándezPepe Mujica, Alberto Fernández, Cristina Kirchner e Lula em ato na Praça de Maio
Pepe Mujica, Alberto Fernández, Cristina Kirchner e Lula em ato na Praça de Maio

 

O ex-presidente Lula (PT) foi aclamado por uma multidão de argentinos durante a celebração do Dia da Democracia e dos Direitos Humanos na Argentina, nesta sexta-feira (10), na Praça de Maio, em Buenos Aires. 

O petista discursou ao ao lado do presidente do país, Alberto Fernández, da vice-presidenta Cristina Kirchner e do ex-presidente do Uruguai, José Pepe Mujica.

Em sua fala, Cristina Kirchner afirmou que “Deus e Nossa Senhora vão nos ouvir para que Lula volte a ser presidente do Brasil” e que “milhões de brasileiros” precisam do ex-presidente. Neste momento, a multidão na Praça de Maio começou a cantar para o ex-mandatário brasileiro: “Ohh, Lula, a volver, a volver. Vamos a volver” (em português, “vamos voltar”). 

Cristina, então, respondeu, se dirigindo a Lula: “Olha, companheiro, não é que eu preveja nada, mas cada vez que cantaram isso, não erraram”.

Mujica e Lula 

Em discurso feito nesta tarde, antes de passar a fala para Lula, Mujica afirmou que o petista será novamente presidente do Brasil em 2022. “Já tive muitos empregos, mas meu trabalho agora é chamar para o microfone meu querido amigo Lula, que será presidente do Brasil”, disse.

Lula ressaltou que teve a “felicidade” de governar o Brasil na mesma época que Kirchner era presidente da Argentina e que os companheiros de esquerda dos outros países da América Latina fizeram parte do “melhor momento da democracia da nossa pátria grande”.

“Possivelmente não tenho todas as informações, mas posso afirmar a todas as mulheres e homens de que a nossa querida América do Sul viveu o melhor período de 2000 a 2012 quando governamos democraticamente todos os países”, afirmou Lula.

Ele demonstrou, ainda, apoio a Fernández, que vem perdendo popularidade por causa da crise que se instaurou na Argentina durante a pandemia da Covid-19.

“A Argentina foi o primeiro país que visitei quando assumi a presidência em 2002. Eu queria fazer um gesto pela integração latino-americana. Quero dizer que sempre estarei ao lado do Alberto Fernández no que ele precisar para melhorar a vida do povo argentino”, afirmou o petista.

Com informações da Revista Fórum 

ÚLTIMAS NOTÍCIAS