Sob pressão, governo avalia estender auxílio emergencial até dezembro

Com a crise econômica causada pela pandemia do coronavírus, muitas pessoas ficaram desempregadas e têm o auxílio como única renda para se manter

Foto: Notícias de MogiAuxílio Emergencial
Auxílio Emergencial

Fonte: Istoé Dinheiro  

O governo federal estuda a possibilidade de ampliar o auxílio emergencial até dezembro deste ano, já que o fim da pandemia do coronavírus parece não chegar até o fim do segundo semestre. Neste cenário, a equipe econômica deve propor a renovação do benefício, mas com um valor abaixo dos R$ 600 atuais.

Caso o valor seja modificado, será necessário pedir autorização do Congresso Nacional, já que o auxílio emergencial foi aprovado após votação que o tornou lei. Na manutenção dos R$ 600, o governo apenas precisa prorrogar por conta própria. Segundo o jornal O Globo, a possibilidade é de pagar mais três parcelas aos beneficiários do programa, agora com um valor de R$ 200, média do Bolsa Família.

O programa foi criado para durar três meses, em abril, maio e junho, mas foi prorrogado por mais dois meses, indo até agosto. Até o momento, mais de 65,4 milhões de pessoas já receberam as parcelas do auxílio emergencial, um total de R$ 145,9 bilhões, de acordo com os dados de hoje (3) da Caixa Econômica Federal. A projeção é de que até o final do ano mais de R$ 203 bilhões tenham saído dos cofres públicos.

O governo de Jair Bolsonaro, além de ter sido contra o prorrogamento, inicialmente era contra a medida, defendendo um valor de R$ 200 reais mensais.