Novo bloqueio torna UFPI insustentável: “mais grave da história”

Instituição divulgou esclarecimento em que detalha o drama com o bloqueio feito pelo Governo Jair Bolsonaro.

Foto: ReproduçãoUFPI
UFPI

A Universidade Federal do Piauí divulgou na terça-feira, 29 de novembro, uma nota oficial em que detalha o drama vivenciado pela instituição após um novo bloqueio de recursos por parte do Governo de Jair Bolsonaro (PL). De acordo com a instituição de ensino superior, o indicativo torna insustentável a situação financeira, classificando-a como a mais grave da história.

"A Administração Superior da Universidade Federal do Piauí (UFPI) informa à comunidade a situação em que se encontra para operacionalizar suas ações de custeio e capital, fundamentais para o funcionamento desta IES. O novo bloqueio no orçamento da UFPI, operacionalizado nessa segunda (28/11), torna insustentável a situação financeira da Instituição, a mais grave vivenciada na história da Universidade", pontua.

De acordo com a UFPI, o novo bloqueio retira da UFPI toda a dotação orçamentária, mais de R$ 5,2 milhões, que restavam para os empenhos do encerramento do exercício de 2022, que precisam ocorrer até a data limite de 9 de dezembro. Em função da burocracia dos trâmites, mesmo que os valores do orçamento sejam desbloqueados, a UFPI alega que terá pouquíssimo tempo para realizar os empenhos.

"A UFPI iniciou a execução orçamentária de 2022 com um orçamento de custeio de pouco mais de R$100 milhões e, em junho, após bloqueios anteriores, o valor foi reduzido para menos de R$ 95 milhões. A redução no orçamento, no meio do ano, obrigou a UFPI a redefinir seu planejamento orçamentário, para se adequar à nova realidade. A situação tornou-se mais grave a partir da elevação das despesas após início das atividades presenciais, que ocorreu no dia 20 de junho".

A instituição de ensino superior ainda sinaliza que para se ter uma ideia da elevação dos custos mensais, os pagamentos de gêneros alimentícios para os restaurantes universitários passaram de aproximadamente R$ 57 mil, em 2021, para quase R$ 4,4 milhões, este ano, contabilizando só até agosto. Em relação à energia elétrica, a conta até maio ficou na faixa de R$ 600 mil reais e no mês de agosto já ultrapassou a marca de R$ 1 milhão.

"Essa elevação de despesas de custeio da UFPI projetava um cenário bastante preocupante para o próximo ano, sobretudo depois da publicação da PLOA 2023, no final de agosto, que é de apenas R$ 93,8 milhões - valor insuficiente para cobrir as despesas projetadas para 2023".

A UFPI finaliza informando que o reitor está em permanente contato com Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) em busca de solução para o conjunto das universidades brasileiras.

Com informações da UFPI

ÚLTIMAS NOTÍCIAS