Mostra Empodera: Parada de Cinema lança edital de co-produção para mulheres cineastas

Mostra Empodera: Parada de Cinema lança edital de co-produção para mulheres cineastas


Além da Mostra de Cinema Brasileiro Contemporâneo, acontece em paralelo a Mostra Empodera – um edital para co-produção, exclusivo para mulheres. A Mostra Empodera tem o intuito de estimular a produção feminina no audiovisual, e vai premiar com R$2.600,00 o projeto escolhido.

As inscrições começam hoje (22) e vão até 18 março, através do site www.paradadecinema.org, onde está disponível o edital e o email para o qual deve ser enviado o material solicitado (ficha de inscrição) - [email protected]

A Mostra Empodera, será uma exibição dentro da Parada de Cinema,que acontece de 2 a 6 de maio, com foco em descobrir novas criadoras no audiovisual piauiense e estimular a produção de conteúdo entre as mulheres. “O Empodera é um espaço experimental em vídeos, que pretende aproximar, empoderar, acolher, impulsionar mulheres-trans, meninas, jovens cineastas e o cinema no Piauí”, esclarece Layane.

Serão aceitos projetos audiovisuais exclusivamente de mulheres (podem ser cis ou trans ), com idade a partir de 18 anos, nascidas no Piauí e regiões próximas – que compreendam os gêneros de ficção, documentário, animação ou experimental e com duração máxima de 15 minutos. O projeto escolhido será viabilizado pela Parada de Cinema, que também ajudará com equipamentos de vídeo e captação de áudio caso necessário, numa proposta de co-produção.

Esta é a 5ª edição da Parada de Cinema, que este ano conta com a parceria do Instituto Punaré/Canteiro e traz uma equipe de mulheres: Layane Holanda (produção executiva), Tássia Araújo (direção geral e curadoria), Verônica Coelho (produção geral), Josélia Neves (designer gráfico), Lina Magalhães (registro fotográfico), Luana Sena (assessoria de imprensa) e Camila Fortes (social media) – provando que o empoderamento feminino na Parada está para além do discurso e se consolida na prática.

Este ano, o evento terá oficinas na Casa da Cultura, shows no Clube dos Diários e exibições na Sala Torquato Neto. A Parada de Cinema tem apoio do Ministério da Cultura, Secretaria do Audiovisual e Governo Federal.

Em pesquisa recente a Agência Nacional do Cinema (Ancine) reconheceu a baixa participação de mulheres no audiovisual. Segundo o levantamento da Ancine, das 2.583 obras audiovisuais registradas em 2016 na agência, apenas 17% foram dirigidas e 21% roteirizadas por mulheres, embora mais da metade da população brasileira seja feminina. “Onde estão essas mulheres na produção audiovisual brasileira?”, instiga Tássia Araújo. “Quando aparecem, poucas ocupam lugares de poder – estão na produção, na maquiagem, figurino, funções tidas como femininas”, aponta. “Os homens terminam ocupando cargos como direção, fotografia, montagem e edição”.