A guerra no Brasil não surge naturalmente, ela está sendo criminosamente construída

Foto: Divulgaçãoxx

Por Roberto Moraes, engenheiro, no Facebook

A construção da guerra federativa do desmonte nacional!

A guerra federativa do desgoverno do Partido Militar contra governadores é muito profunda e de riscos incalculáveis.

Essa disputa não é só de Bolsonaro é de todo o Partido Militar que tenta proteger os generais - como o sem noção Pazuello e demais - e vai arrumando sempre inimigos na guerra do ódio.

Essa disputa federativa chega a nós cidadãos com o efeito da máxima de que "cada se vire como puder". Isso começou com a negação da pandemia, se ampliou com a propaganda de remédios sem efeitos, seguiu com o enrolo em relação às vacinas e agora com relação à distribuição orçamentária, como se as pessoas não vivessem nas cidades e estados, mas de um único país. Ninguém mora na nação, sem morar num município ou estado.

O desgoverno da boquinha não consegue resolver nenhum problema. Assim, indefinidamente arruma inimigos para jogar a culpa. Hoje, os governadores e prefeitos sofrem a pressão das vítimas dos hospitais, leitos e UTIs lotadas e o desgoverno acha pouco. E fica jogando uma parte da população contra outra.

Por isso, insisto, não há colapso. O que há é genocídio, não apenas do capitão, mas de todo o Partido Militar.O resultado disso é a redução e a perda da identidade, do sentimento de pertencimento à nação Brasil. União sem soberania e sem articulação e cooperação federativa não é nação.

Isso tudo parece cada vez mais a antessala da guerra de todos contra todos. Não diga que ela está surgindo naturalmente. Ela está sendo paulatina e criminosamente construída diante de reações ainda brandas do desmonte nacional.

Cretinos. Assassinos. Genocidas!