Professor do IFPI/Floriano

André Luiz

Professor do IFPI/Floriano

Mito, saia da caverna ou irão te tirar da presidência!

Foto: InternetEle sairá da caverna?
Ele sairá da caverna?

Nosso texto de hoje é fruto de interpretação de uma fala proferida pelo ministro Mandetta que, nas entrelinhas, é na realidade uma mensagem dura ao presidente Bolsonaro. Para entender melhor, convidamos o leitor a apreciar nosso artigo.

A primeira vez que ouvi uma explicação sobre o Mito da Caverna, ocorreu por intermédio do meu grande mestre, Prof. Jair Feitosa, ainda no ensino médio. De maneira sucinta, o texto pede para imaginar prisioneiros que vivem amarrados contra uma parede de uma caverna desde a infância. Durante suas vidas, eles só podem avistar somente as sombras que são projetadas na parede situada à frente. Tais sombras são resultantes dos objetos e gestos feitos pelos homens que ficam ao redor de uma fogueira.

Durante muito tempo o formato das sombras, de maneira distorcida, é todo o conhecimento que os prisioneiros tinham do mundo. Um dia, um dos prisioneiros foi liberto e, andando pela caverna, percebeu que eram pessoas e uma fogueira que projetavam as sombras que ele julgava ser a totalidade do mundo. Saindo da caverna, ele toma um choque de realidade ao deparar-se com o mundo exterior. Aos poucos ele começa a perceber a infinidade do mundo fora da caverna e, entendendo que aquelas sombras não passam de imperfeitas cópias de parte da realidade, o prisioneiro liberto tem duas escolhas: libertar os seus companheiros ou seguir para viver a sua liberdade.

Bem, experiente político, deputado de dois mandatos e exausto diante de uma semana cansativa, certamente Mandetta leu “O mito da Caverna”, e muito provavelmente, fez sim uma interpretação concisa dessa contribuição de Platão. O que o ministro da saúde fez foi mandar um recado bem dado ao presidente. “Liberto da caverna”, Mandetta, mesmo podendo ter a “liberdade”, escolheu voltar, sabendo da possibilidade de sofrer ataques de seus companheiros (presidente Bolsonaro e ala “olavista” do governo). O recado (dos militares, do Congresso e do STF) foi dado pelo ministro ao presidente, resta a ele escolher ou não “sair da caverna”.

“Sair da caverna” será doloroso para Jair Bolsonaro, pois isso significa deixar para trás as ideias conspiratórias, respeitar a ciência, a ONU, a OMS e as instituições públicas, deixar de lado a subserviência aos EUA e, principalmente, medir as palavras suas, de seus filhos e ministros “olavistas”.

Certamente esta será uma difícil decisão para o prisioneiro (Bolsonaro), mas o “Mito” só tem duas possibilidades, ou ele sairá da caverna, ou será retirado da presidência do Brasil.

OBS: Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do pensarpiaui.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS