Economista e ex-deputado federal

Jesus Rodrigues

Economista e ex-deputado federal

É preciso afastar de vez o fantasma do "poder moderador"

Foto: Warfare BlogForças Aramadas
Forças Aramadas


No artigo anterior disse que não tinha nada contra militares ocupando cargos no governo. Desde que ungidos pelo manto sagrado do voto e da democracia. Mesmo essa democracia burguesa que ainda tem muito a melhorar. 

Naquele texto chamava atenção que os generais fardados não poderiam dar cobertura armada a descumprimentos constitucionais. Como eles não têm se manifestado de forma clara contra essa possibilidade, cresce a dúvida de que o presidente Bolsonaro esteja tendo sucesso em sua estratégia de cooptação das Forças Armadas, através desses tantos cargos cedidos aos militares.

Mas se eles não o fazem, os poderes constituídos terão que separar bem claramente o civil do militar. 

Ao Poder Judiciário, caberia emitir  parecer a respeito do Artigo 142 da Constituição Federal, para esclarecer, entre outros temas, qual o papel das Forças Armadas na “garantia dos poderes constitucionais”. 

Parece até óbvio, mas quando se põe em dúvida que a terra seja plana, o Poder Judiciário tem que falar bem claro ao grande público.

CONHEÇA O CANAL DO pensarpiaui NO YOU TUBE. INSCREVA-SE. TOQUE NO SININHO

Ao Poder Legislativo cabe a regulamentação imediata desse mesmo Artigo 142 e que, lei complementares, possam afastar de vez o fantasma de “poder moderador” ou de uma intervenção militar a pretexto de manter a lei e a ordem.

E de onde emana todo o poder que é o povo, este já está separando bem as coisas, pois em pesquisa do DataFolha de 01.06, 52% rejeitam a presença de integrantes das Forças Armadas em cargos de governo (eu fiquei entre os 43% que aceitam, mas com a ressalva da via democrática). Imagina então pra quanto cresceria esse percentual caso os militares queiram ocupar todos os cargos no judiciário, no legislativo e no executivo?
 

OBS: Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do pensarpiaui.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS