Política

“Sem democracia um torneiro mecânico jamais teria chegado à Presidência”, diz Lula na Suíça

Presidente criticou os ataques à democracia feitos pela extrema-direita e o retrocesso de direitos trabalhistas


Reprodução “Sem democracia um torneiro mecânico jamais teria chegado à Presidência”, diz Lula na Suíça
Lula

Em discurso na 112ª Conferência Mundial do Trabalho da OIT (Organização Mundial do Trabalho), o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) foi aplaudido de pé ao defender a democracia e criticar os ataques feitos a ela pela extrema-direita em todo o mundo.  “Sem a democracia, um torneiro mecânico jamais teria chegado à Presidência da República de um país como o Brasil”, disse, sobre a própria eleição em 2002. 

Lula também criticou o retrocesso e a violação de direitos trabalhistas promovidos por outros governos, em referência clara a Jair Bolsonaro (PL). “Os ataques à democracia historicamente implicaram em perdas de direitos. Não é mera coincidência que meu país foi investigado por violar normas desta organização durante o governo anterior. O extremismo político ataca e silencia minorias, negligencia os mais vulneráveis e vende muita ilusão. A negação da política deixa um vácuo a ser preenchido por aventureiros que espalham mentiras e ódio”, afirmou.

O presidente falou sobre a importância da recuperação da bandeira anti-hegemônica pelos setores progressistas e populares, e criticou a visão econômica neoliberal, que defende a redução do tamanho do Estado. “A contestação da ordem vigente não pode ser privilégio da extrema direita. A bandeira anti-hegemônica precisa ser recuperada pelos setores populares, progressistas e democratas. Recuperar o papel do Estado como planejador do desenvolvimento é uma tarefa urgente. A ‘mão invisível’ do mercado só agrava a desigualdade. O crescimento da produtividade não tem sido acompanhado pelo aumento dos salários, gerando insatisfação e muita polarização. Não se pode discutir economia e finanças sem discutir emprego e renda”, declarou.

Lula também voltou a defender a taxação de super-ricos, considerada a principal pauta da presidência do Brasil no G20. “O Brasil está impulsionando a proposta de taxação dos super-ricos nos debates do G20. Nunca antes o mundo teve tantos bilionários. Estamos falando de 3 mil pessoas que detêm quase US$15 trilhões. Isso representa a soma dos PIBs de Japão, Alemanha, Índia e Reino Unido”, disse.

Por fim, tratou sobre as mudanças climáticas e citou o exemplo das enchentes no Rio Grande do Sul, que mataram centenas de pessoas no mês de maio. “A concentração de renda é tão absurda que alguns indivíduos possuem seus próprios programas espaciais, certamente tentando encontrar um planeta melhor que a Terra, para não ficar no meio dos trabalhadores, que são responsáveis pela riqueza deles. Não precisamos buscar saída em Marte. É a Terra que precisa do nosso cuidado. As enchentes que levaram destruição ao Sul do Brasil, ao Quênia e à China, e as secas na Amazônia, na Europa e no continente africano mostram que o planeta já não aguenta mais”, alertou Lula.

Com informações do 247

Deixe sua opinião: