Prerrô: em de defesa do Estado Democrático de Direito

O Prerrogativas foi criado há cerca de sete anos, para defender as prerrogativas profissionais dos advogados

Foto: PensarPiauíEntrevista com Marco Aurélio de Carvalho
Entrevista com Marco Aurélio de Carvalho

O Prerrogativas foi criado há cerca de sete anos, para defender as prerrogativas profissionais dos advogados, sistematicamente violadas no Brasil da Lava Jato. Prerrogativas, não se confundem com privilégios. Aquelas são as garantias previstas em lei para que advogados possam representar e defender os interesses de seus clientes sem restrições.

Há constitucionalistas, ministros de Estado, defensores públicos, tribunos, estudantes, ativistas, criminalistas e representantes de todas as entidades profissionais mais importantes do Direito. Formações, experiências e pensamentos diferentes com um valor comum: a democracia com justiça social.

O coordenador do Prerrogativas é o advogado, especializado em Direito Público, Marco Aurélio de Carvalho, que é o entrevistado de hoje do pensarpiauí. Para a entrevista, contamos com a colaboração da também advogada Lidiane César, especialista em Direito Administrativo.

Marco Aurélio falou de conquistas do grupo como a atuação no Congresso Nacional na análise do Pacote Anti-Crime proposto pelo ex-juiz Sérgio Moro. Opinou também sobre a midiatização da Justiça, sobre uma nova Constituinte, a CPI da Covid e um eventual impeachment de Jair Bolsonaro.

Ao falar sobre a revogação da Lei de Segurança Nacional, Marco Aurélio não poupou elogios à relatora do projeto, a deputada piauiense Margarete Coelho. Segundo Aurélio ela foi “extremamente generosa ao permitir que o Prerrogativas fosse ouvido sobre no tema na Comissão da Câmara”. Ele disse que é preciso “reconhecer e aplaudir o trabalho de Margarete Celho”.

Marco Aurélio lembrou que o Prerrogativas editou dois livros: “O livro das Parcialidades” e “O Livro das Suspeições” e que eles estão à disposição para interessados baixarem e acessarem às informações.