Pensar Piauí

Indicação de Lewandowski para Segurança enfrenta resistência na esquerda

Favorito de Lewandowski para área de Segurança Pública, Mario Sarrubbo procurou aliados de Lula para tentar vencer resistência na esquerda.

Foto: ReproduçãoLewandowski e Mário Sarrubbo
Lewandowski e Mário Sarrubbo

 

A possível nomeação do procurador-geral de Justiça de São Paulo, Mário Luiz Sarrubbo, como secretário nacional de Segurança Pública do Ministério da Justiça enfrenta resistência de setores progressistas e da esquerda tanto de dentro quanto de fora do governo Lula.

Após a imprensa noticiar que Sarrubbo é o nome preferido do futuro ministro da Justiça, Ricardo Lewandowski, para a secretaria da pasta, integrantes do governo federal e lideranças da esquerda passaram a questionar a possível nomeação nos bastidores.

A principal crítica é de que Sarrubbo seria “muito linha dura”, ou seja, teria uma visão muito punitivista. Como chefe do Ministério Público de São Paulo, cargo que ocupa desde 2020, ele fortaleceu o Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado.

O Gaeco, como o grupo é chamado, é um braço do MP que mira organizações ligadas ao tráfico de drogas e armas, lavagem de dinheiro e corrupção. No caso de São Paulo, a atuação é voltada sobretudo para o combate ao Primeiro Comando da Capital (PCC).

Relação com Moraes e PSDB

Integrantes do governo Lula também mencionam o fato de Sarrubbo ser próximo ao ministro do STF Alexandre de Moraes. O magistrado, inclusive, participou da conversa que o procurador teve com Lewandowski na semana passada, quando o futuro ministro sondou o procurador para o cargo.

“Parece que o Xandão (apelido de Moraes) vai mandar na segurança pública”, ironizou à coluna de Igor Gadelha, sob reserva, um influente ministro de Lula ligado à esquerda.

Lideranças de esquerda demonstram ainda, nos bastidores, desconfiança pelo fato de Sarrubo ter sido escolhido como chefe do Ministério Público de São Paulo em 2020 e 2022 por governadores filiados ao PSDB à época; no caso, João Doria e Rodrigo Garcia, respectivamente.

Em ambas as escolhas, Sarrubo figurava na lista tríplice definida por integrantes do MP. Em 2020, ele foi o segundo mais votado, com 657 votos, atrás de Antônio Carlos da Ponte, que teve 1.020 votos. Em 2022, quando foi reconduzido ao cargo, o procurador foi o primeiro colocado, com 1.385 votos.

Sarrubbo é apontado como um procurador que tem boa relação com os tucanos. A relação se estende à família dele. Na eleição de 2020, por exemplo, sua irmã, Mariângela Sarrubbo, doou R$ 500 para a campanha à reeleição do então prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB).

Sarrubo pede ajuda

Ciente das críticas a sua nomeação por parte de setores da esquerda, Sarrubbo passou a procurar aliados de Lula que têm interlocução com o campo progressista. Nas conversas, segundo relatos, o procurador pediu ajuda para vencer as resistências desse campo.

Com informações da coluna de Igor Gadelha

ÚLTIMAS NOTÍCIAS