Estudante de medicina brasileiro é encontrado morto no Paraguai

Corpo de Paulo foi encontrado no porta-malas de carro incendiado

Foto: G1Paulo Vilela Resende Neto, 36 anos, era estudante de medicina e foi identificado após exames e apresentação de documentos
Paulo Vilela Resende Neto, 36 anos, era estudante de medicina e foi identificado após exames e apresentação de documentos

Autoridades paraguaias identificaram como sendo de um brasileiro o corpo encontrado no último final de semana dentro do porta-malas de um automóvel incendiado na cidade de Mariano Roque Alonso, próxima a Assunção. Trata-se de Paulo Vilela Resende Neto, natural de Uberaba, de 36 anos.

De acordo com o UOL, o veículo onde o corpo foi encontrado pertencia a uma brasileira que não teve o nome revelado. Ela vivia em San Lorenzo, cidade a 18 km de Mariano Roque Alonso, conhecida pela concentração de universitários, e voltou ao Brasil em março em decorrência da pandemia do novo coronavírus.

A Polícia Nacional do Paraguai já teria entrado em contato com a dona do veículo, que afirmou que o carro ficou na responsabilidade de Paulo, estudante de medicina no país. Segundo o Ministério Público paraguaio, o corpo passou por exames para comparar com dados de Paulo. Os resultados coincidiram com documentos apresentados por familiares dele.

Foto: UOLCarro incendiado
Carro incendiado

Família esperava retorno no Natal

Um jovem meigo, gentil, colega de todos, sem inimigos. É dessa forma que o empresário Cícero Rezende define o filho Paulo Rezende Vilela Neto, que foi morto no último fim de semana.

Ao UOL, Cícero falou, muito emocionado, sobre a trajetória de Paulo, um rapaz que saiu há seis anos do Brasil em busca de um sonho: tornar-se médico."Ele era formado em administração de empresas e trabalhou comigo até sair do país. Um dia me disse que iria embora para o Paraguai fazer medicina e foi mesmo", relembra.

Mesmo de longe, o empresário sempre fez questão de acompanhar o dia a dia do filho, e citou as dificuldades financeiras encontradas por ele no Paraguai. "O começo foi muito difícil. Paulo se sustentava como motorista de aplicativo e ganhava uma comissão ao levar brasileiros para estudar no Paraguai. Era bem apertado, mas ele se virava bem. Estava no último ano do curso, iria se formar em julho de 2021", lamenta.

O pai da vítima disse que parece viver um pesadelo e não consegue encontrar explicação para esse caso. Cícero informou ainda que, de acordo o advogado da família, que o acompanha a situação no consulado, 18 pessoas — entre professores e colegas de Paulo — já foram ouvidas no Paraguai. Até o momento, nenhuma hipótese de vingança, envolvimento com tráfico ou contrabando pode ser levantada.

"Esperávamos o Paulo no Natal deste ano para comemorarmos juntos e matarmos a saudade. Não vai ser possível, então terei que ficar apenas com as boas lembranças", concluiu o pai.

O corpo de Paulo Rezende será cremado e as cinzas entregues em uma urna para a família. Além do pai, ele deixa um filho de 10 anos; a irmã, de 20 anos, também estudante de medicina; e a mãe, Mara Guimarães Rezende. A família pretende fazer uma homenagem para o estudante de medicina na data em que ele iria se formar.