Trabalho escravo alimenta mudança do clima

O alerta foi feito pela sociedade civil na CPO26

Foto: Grupo Especial de Fiscalização Móvel/METrabalho escravo
Trabalho escravo

Por Leonardo Sakamoto, jornalista, no facebook

Na COP26, a sociedade civil pede que governos reconheçam relação entre trabalho escravo e migração causada por mudanças climáticas e enfrentem situação. No Brasil, desmatamento, pecuária e produção de carvão, que contribuem para a mudança do clima, aparecem entre as principais atividades flagradas com escravizados.

"Trabalho escravo é frequentemente encontrado em setores destruidores do clima. Em muitas partes do mundo, modelos de desenvolvimento baseados no extrativismo e no agronegócio voltados para a exportação estão piorando a vulnerabilidade à escravidão moderna ao monopolizar a terra e recursos naturais, poluindo o solo, o ar e a água, destruindo ecossistemas e causando migração."

A denúncia está em documento assinado por 58 organizações da sociedade civil e universidades que atuam nos cinco continentes, como a Anti-Slavery International e o Freedom Fund, enviado a Alok Sharma, presidente da COP26, e Patricia Espinosa, secretária-executiva da ONU para mudanças climáticas.

Elas pedem que a cúpula das Nações Unidas trate da relação entre a mudança climática e a escravidão contemporânea e recomende que os governos reconheçam as ligações ambas e a migração induzida pelo clima e forneçam trabalho decente para os trabalhadores do setor de energia renovável, muitas vezes vítimas desse tipo de exploração.

Kevin Bales, responsável pela cadeira de escravidão contemporânea na Universidade de Nottingham, no Reino Unido, e considerado um dos maiores especialistas mundiais no tema, afirma que há um perverso ciclo vicioso, em que escravizados são levados a destruir florestas e ecossistemas, o que contribui com as mudanças climáticas, que, por sua vez, levam a secas, inundações e desertificação, aumentando a vulnerabilidade social e gerando refugiados ambientais. Ou seja, levando mais pessoas a se tornarem vítimas do trabalho escravo.

Uma análise dos relatórios de fiscalização do governo federal mostra que, no Brasil, atividades econômicas que contribuem para a emissão de gases de efeito estufa e, portanto, para as mudanças climáticas, como desmatamento, produção de carvão e pecuária, têm sido os principais usuários de pessoas submetidas a formas contemporâneas de escravidão. Sim, parte da destruição dos biomas brasileiros é feita com mãos cativas.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS