"Quero um lugar de lazer, democracia e afeto", diz Pellé pré-candidato a vereador

Pellé é ator, produtor cultural, e um dos fundadores do Grupo Harém de Teatro

Foto: margareth leiteFrancisco Pellé, pré-candidato a vereador de Teresina pelo PCdoB
Francisco Pellé, pré-candidato a vereador de Teresina pelo PCdoB

Francisco Antônio Vieira, mais conhecido como Francisco Pellé, é pré-candidato a vereador de Teresina pelo PCdoB.

Natural de Teresina é ator, produtor cultural, e um dos fundadores do Grupo Harém de Teatro.

Pellé é trabalhador da cultura e das artes e ativista de políticas públicas de cultura. Tem 35 anos de carreira e esteve em muitos palcos, praças, auditórios, camarins, ruas e avenidas. O teatro o levou além do que poderia imaginar, foi seu combustível e meio de transporte para ser quem é hoje: um defensor da cultura e melhores condições de vida para a população de Teresina, com boas perspectivas para a eleição municipal de 2020. 

“Sem figurino, faço parte do público comum que quer comida, diversão, arte, segurança, emprego, transporte de qualidade, saneamento básico, educação e uma saúde pública que funcione. É por isso que, apesar de já ter feito muita gente rir, agora falo sério. Em 2020, sou oficialmente pré-candidato a vereador para a Câmara de Teresina pelo Partido Comunista do Brasil- PCdoB. O teatro levou-me além, mas eu sempre volto para onde comecei. Precisamos lutar por nossa cidade para que ela volte a ser um lugar de lazer, da democracia, do debate, dos afetos e encontros. Quero uma cidade mais humana!”, ressalta Pellé.

Trajetória

Sua trajetória artística começa em 1982, quando ele estava cursando o Ensino Médio na antiga Escola Técnica de Teatro (hoje IFPI). O primeiro contato com as artes cênicas foi através do grupo de teatro formado na própria escola que ele participaria até concluir os estudos.  Após de construir história em grupos de teatro, conheceu Arimatan Martins e Airton Martins, e juntos formaram o Grupo Harém de Teatro. O Grupo Harém realizou espetáculos importantes tanto para a trajetória da companhia, quanto para a carreira de Francisco Pellé.

Espetáculos como Raimunda Pinto, Sim Senhor! (1992) e Auto do Lampião no Além (1996). Em 1998, foi selecionado para participar do I Estágio Internacional de Atores Lusófonos (Portugal), ação realizada pela Cena Lusófona em parceria com EXPO 98, Anatel e Ministério da Cultura do Brasil, que foi um ponto importante para a ascensão de sua carreira.

No que o permitiu também ter uma aproximação com os integrantes do Teatro Extremo de Portugal, onde realizaram trabalhos juntos como A Fronteira, Mal de Amor, e O Beijo no Asfalto.  Após retornar de Portugal, Pellé participou de outros espetáculos como ator como Dois Perdidos Numa Noite Suja (2000), A Menina e o Vento (2005) e Quando As Máquinas Param (2010). Participou também dos filmes Siri Ará de Rosemberg Cariri (2007) e Um Homem Sem uma Câmera de Allan Sampaio (2007).

Com experiência em gestão, fez parte comissão julgadora do Prêmio Cultura Viva das edições 2006/2007 e 2008/2009/2010. Foi coordenador geral e programador do FESTLUSO- Festival de Teatro Lusófono realizado em Teresina, desde 2008.

Também foi coordenador administrativo financeiro do Theatro 4 de Setembro (1986-1990); coordenador de Artes Cênicas da Fundac  (1994- 1996); diretor do Complexo Cultural Theatro 4 de Setembro/ Clube dos Diários( 1999- 2001); assessor de planejamento e orçamento da Copemtec (2017- 2019) e assessor de planejamento e orçamento da Segov (2019-2020).

Foto: margareth leite Pellé no palco
Pellé no palco

Foto: margareth lleite xx