Piauienses: 80% de pretos e pardos e só recebem 62% do que é pago a brancos

Eles também concentram a maior situação de pobreza (44,5%) e extrema pobreza (15,2%) no Piauí

Foto: DivulgaçãoPNAD Contínua 2018
PNAD Contínua 2018

Dados do IBGE, através da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua 2018 (PNAD Contínua), revelam que 80% da população piauiense é composta por pessoas que se declaram pretas ou pardas e que só recebem aproximadamente 62% do que é pago às pessoas brancas. Eles também concentram a maior situação de pobreza (44,5%) e extrema pobreza (15,2%) no estado. 

Contraditoriamente, a maioria das pessoas que estão entre os 10% com maiores rendimentos são pretas ou pardas no Piauí, índice duas vezes e meia maior que no Brasil (62,5%). Porém, o quantitativo de pessoas pretas ou pardas entre os 10% com os menores rendimentos (86,7%) também é superior ao de pessoas brancas nessa situação (13%). 

Em comparação às demais Unidades da Federação, o Piauí é o sexto colocado com maior percentual da população de cor (9,1%) ou raça parda (70,9%). Brancos são 19,8% e 0,2% se declaram amarelos ou indígenas. O Estado com maior percentual de cor parda é o Amazonas, com 77,4% da população. A região Sul apresenta o menor quantitativo de pessoas pardas (20,6%) e os maiores números de pessoas declaradas brancas no país (73,9%). Roraima é o estado que possui mais amarelos ou indígenas (7,7%), enquanto o maior percentual de pessoas pretas está na Bahia (22,9%).

Foto: DivulgaçãoRaça Piauí e Brasil PNAD
Raça Piauí e Brasil PNAD

Os números da Pesquisa Nacional apontam que, no Brasil, as pessoas de cor ou raça preta ou parda têm um rendimento médio de R$ 1.608,00, o que equivale a cerca de 57,51% do que recebe uma pessoa branca. No Piauí e em Teresina esses indicadores são ainda maiores do que a média registrada para o país, respectivamente de 61,91% e 60,11%..

No Piauí, em 2018, encontrava-se em situação de pobreza 44,5% das pessoas de cor ou raça preta ou parda, e em 15,2% em situação extrema pobreza.  Segundo o Banco Mundial, registra-se situação de “pobreza” onde a renda domiciliar média per capita é de até US$ 5,5 por dia ou R$ 420,00 por mês. Já a situação de “extrema pobreza” é aquela onde a renda domiciliar média per capita é de até US$ 1,9 por dia ou R$ 145,00 por mês para o ano de 2018.

Outros números:

Pessoas de cor ou raça preta ou parda têm menos acesso a celular e à internet no Piauí - No Piauí e em Teresina, o percentual de posse de celular entre pessoas brancas é superior  àquele entre as pessoas pretas ou pardas. O mesmo ocorre no comparativo de pessoas com acesso à internet. Foram consideradas pessoas com 10 anos ou mais de idade. As taxas observadas em Teresina são mais altas do que a média no Estado, conforme demonstra a tabela abaixo.

Foto: DivulgaçãoAcesso à celular e internet
Acesso à celular e internet

Maioria dos prefeitos e dos vereadores eleitos no Piauí em 2016 são pretos ou pardos - Mais da metade dos prefeitos eleitos nos municípios piauienses em 2016 são pretos ou pardos. De acordo com os dados informados ao TSE, eles somavam 54,5% do total. Entre os vereadores, a proporção é ainda maior: 69,5% dos eleitos em 2016 se declararam pretos ou pardos à Justiça Eleitoral. 

Piauí tem a quinta maior proporção de deputados estaduais pretos ou pardos do país. -  Dentre os 30 deputados estaduais eleitos em 2018 para a Assembleia Legislativa do Piauí (ALEPI), 14 deles se autodeclararam pretos ou pardos à Justiça Eleitoral. Mas, quanto aos deputados federais, apenas 20% dos eleitos pelo Piauí são pretos ou pardos.

Foto: DivulgaçãoVereadores e Prefeitos
Vereadores e Prefeitos