Pedro Laurentino: pré-candidato da UP a prefeito de Teresina

A Unidade Popular é um novo partido fundado em

Foto: FacebookPedro Laurentino
Pedro Laurentino

Segunda feira o pensarpiaui entrevistará o candidato a prefeito de Teresina, Pedro Laurentino, para saber de suas propostas para Teresina. A seguir um pouco do histórico do candidato através de texto de sua assessoria:  

Pedro Laurentino Reis Pereira, piauiense de Teresina, é poeta autor de 4 livros, sendo o último, Sentinela da Aldeia, lançado em 2019, servidor concursado do Tribunal do Trabalho, sindicalista e coordenador do Comitê Memória, Verdade e Justiça de Teresina.

Nos anos 70, ao ir cursar agronomia em Pernambuco, teve intensa participação no movimento estudantil, na luta de resistência à ditadura militar e em defesa da democracia. Presidiu o Diretório Central dos Estudantes (DCE) da Universidade Rural em 1977, onde dirigiu uma greve histórica em plena ditadura sob o tacão do ditador Ernesto Geisel.

Em resposta a greve, a ditadura invadiu o campus universitário com a polícia militar e suspendeu por 60 dias o curso das lideranças, mesmo assim as lutas por direitos não cessaram. Sempre militando em partidos da esquerda que estavam na resistência à ditadura, como o PCR e MR-8, participou da reconstrução da União Nacional dos Estudantes (UNE), em 1979 sendo eleito diretor e foi presidente de reconstrução da União dos Estudantes de Pernambuco (UEP), em 1980, ambas importantes ferramentas de resistência que tinha sido extintas pela ditadura.

Em consequência dessa luta, aos 25 anos, Pedro Laurentino foi eleito vereador em Recife em 1982 pelo PMDB, partido que na época fazia oposição à ditadura. Fez do seu mandato um instrumento para ajudar a derrocar e enterrar a ditadura militar, coordenando em Pernambuco a campanha DIRETAS JÁ! Ainda durante o seu mandato, comandou uma das brigadas da juventude brasileira na COLHEITA DO CAFÉ, na Nicarágua, em 1988, em solidariedade à revolução Sandinista que enfrentava forte boicote armado do imperialismo norte-americano

Retornando a Teresina em 1989, desempregado, trabalhou como autônomo no ramo de compra e venda de peles e couros, ocasião em que percorria as feiras e os mercados de Teresina e das cidades vizinhas em uma velha Kombi, comprando os produtos diretamente das mãos dos açougueiros, para revende-los sucessivamente numa cadeia econômica até chegar aos grandes curtumes, que retinham o grosso do lucro. Isso, até ingressar no TRT em 1992.

Ali ajudou a fundar a primeira Associação dos Servidores. Logo depois foi chamado para assumir a Diretoria Fundiária do INTERPI (1995/97), lidando com assentamento de trabalhadores rurais. No ano 2000 foi eleito vereador de Teresina pelo PDT, de Leonel Brizola e Prado Junior. Mandato marcado pela defesa de mais oportunidades para a juventude e melhoria no transporte coletivo. Apoiou ativamente a luta dos estudantes contra os aumentos abusivos das passagens e pela gratuidade da primeira via do cartão de passagem conhecido como “passe verde”. Após várias mobilizações foi conquistado a gratuidade do passe, porém infelizmente graças a ganância dos empresários e a cumplicidade da prefeitura, hoje os empresários voltaram a cobrar valores altíssimos.

A partir de 2005, foi eleito e participou efetivamente da gestão do Sindicato dos Trabalhadores do Judiciário Federal do Piauí - Sintrajufe – PI onde comandou inúmeras greves pela melhoria salarial da categoria, sendo a maior delas em 2015.

Participou da construção da Unidade Popular – UP, um novo partido construído por vários movimento sociais nacionais, de moradia, juventude, mulheres e sindical, mesmo sem ter uma estrutura financeira, através da profunda convicção de sua militância, conseguiu coletar e entregar nos cartórios mais de 1 milhão e 200 mil apoios em todas as regiões do país, sendo aprovado em sessão no TSE no dia 10 de dezembro de 2019, com o número 80.

Ainda em 2016, o PSOL acatou a sua filiação solidária, por reconhece-lo como uma liderança política, a fim de que pudesse disputar o mandato de vereador em 2016 e dar maior visibilidade às bandeiras e propostas da Unidade Popular para Teresina. Uma vida dedicada a luta em defesa da juventude e dos trabalhadores marcada pelo enfrentamento ao fascismo, tanto na época do golpe de 64 como hoje do governo de Bolsonaro. Sempre tomando o lado dos trabalhadores e na defesa de seus direitos, recentemente participando ativamente das greves contra a Reforma da Previdência de Bolsonaro e de Wellington Dias.

Devido esse histórico de lutas, a Unidade Popular apresenta seu nome a candidatura à Prefeitura de Teresina, como opção para representar os interesses da classe trabalhadora e sua juventude tão pouco representada nas sucessivas gestões. Ao mesmo tempo em diálogo constante pela construção de uma candidatura de unidade com outras organizações de esquerda e diversos movimentos populares.