Papa envia mensagem ao Brasil e pede 'união' e 'reconciliação'

Francisco aproveitou a oportunidade para falar com todos os brasileiros que vivem “um dos piores momentos de sua história”

Foto: Vatican NewsAos bispos e ao povo brasileiro, Francisco disse ser necessário deixar de lado as 'divisões e as desavenças'
Aos bispos e ao povo brasileiro, Francisco disse ser necessário deixar de lado as "divisões e as desavenças"

 

Nessa quinta-feira (15), o papa Francisco enviou uma mensagem em vídeo para a 58ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e aproveitou a oportunidade para falar com todos os brasileiros que vivem “um dos piores momentos de sua história” por conta da pandemia de Covid-19. No início das imagens, o líder católico pede desculpas por enviar a mensagem em espanhol e não em português.

“Peço perdão que eu esteja fazendo isso em espanhol, mas entre Brasil e Argentina tem um idioma que todos entendemos que é o ‘portunhol’. Assim vocês vão me entender”, afirmou.

A mensagem em si começa falando da crise sanitária no país, em que o Pontífice diz querer “manifestar a minha proximidade a todas as centenas de milhares de famílias que choram a perda de um ente querido. Jovens, idosos, pais e mães, médicos e voluntários, ministros sagrados, ricos e pobres: a pandemia não excluiu ninguém no seu rastro de sofrimento”.

“Sim queridos irmãos, o mais forte está ao nosso lado. Cristo venceu, venceu a morte. Renovemos a esperança de que a vida vencerá! A nossa fé em Cristo Ressuscitado nos mostra que podemos superar esse momento trágico. Nossa esperança nos dá coragem para nos reerguemos”, ressaltou.

O Papa ainda destaca a importância da caridade neste momento, que “nos impulsiona a chorar com os que choram e a dar a mão, sobretudo aos mais necessitados, para que possam voltar a sorrir”. Francisco voltou a usar um termo recorrente em suas falas, o de superar as divisões em prol do bem comum, e pediu que a Igreja Católica no Brasil “seja instrumento de reconciliação e de unidade”.

Veja a fala do Papa Francisco: