Opressão às mulheres! Atletas pedem exclusão do Irã da Copa do Mundo

As mulheres têm sido constantemente negadas a ter acesso a estádios em todo o país e sistematicamente excluídas do futebol no Irã

Foto: Kevin Coombs/ReutersProtestos contra o governo do Irã tomam outras cidades no mundo, como Londres
Protestos contra o governo do Irã tomam outras cidades no mundo, como Londres

Ge - Um grupo de atletas iranianos enviou uma carta à Fifa com um pedido de exclusão do Irã da Copa do Mundo de 2022. Assinado por Juan Dios Crespo, advogado renomado no futebol internacional, o comunicado pede a suspensão da seleção, alegando que a Federação Iraniana de Futebol fortalece a opressão e a exclusão das mulheres no ecossistema esportivo.

— A brutalidade e a beligerância do Irã em relação a seu próprio povo chegou a um ponto de inflexão, exigindo uma desassociação inequívoca e firme do mundo do futebol e do esporte. A abstinência histórica da Fifa em relação aos conflitos políticos tem sido muitas vezes tolerada apenas quando essas situações não se encontram na esfera do futebol  — diz um trecho do texto. 

A defesa do movimento também alega que a federação local está seguindo e impondo diretrizes governamentais, o que contrasta com a premissa de ser uma organização independente e livre de qualquer influência. Maior ídolo do futebol iraniano, Ali Daei apoia o pedido e tem sofrido represálias pela postura. O ex-jogador teve o passaporte confiscado recentemente ao voltar de uma viagem da Turquia.

O documento divulgado ainda diz que se a Fifa entender que o governo não está influindo na decisão de mulheres serem proibidas de frequentarem os estádios, a Federação Iraniana é a responsável por não respeitar os direitos humanos.

— A situação das mulheres no Irã é profundamente desagradável no quadro político e socioeconômico mais amplo. Tragicamente, os mesmos males e injustiças são perpetuados dentro da esfera do futebol, significando efetivamente que o futebol, que deveria ser um lugar seguro para todos, não é um espaço seguro para as mulheres ou mesmo para os homens.

"As mulheres têm sido constantemente negadas a ter acesso a estádios em todo o país e sistematicamente excluídas do ecossistema do futebol no Irã, o que contrasta fortemente com os valores e estatutos da Fifa", diz o comunicado.

O documento ainda relata os casos de alguns jogadores com passagens pela seleção como Hossein Mahini, Aref Gholami, e figurantes importantes da história do futebol iraniano como Ali Karimi e Ali Daei — segundo maior artilheiro do futebol de seleções de todos os tempos — foram vítimas de prisões, assédios ou ameaças do governo.

Um dos representantes do caso, Juan Dios Crespo é espanhol e já defendeu Messi, Neymar — na compra do PSG pelo atleta que era do Barcelona — e a Federação Argentina de Futebol (AFA).

Em setembro, o grupo ativista de direitos humanos Open Stadiums também entrou com um pedido à Fifa e ao presidente Gianni Infantino com o pedido de exclusão do Irã da Copa do Mundo, alegando que não há confiança que as mulheres poderão frequentar estádios depois da competição no Catar.

Em agosto, as mulheres iranianas puderam assistir pela primeira vez a um jogo da 1ª divisão nacional após mais de 40 anos. Em janeiro, as fãs puderam assistir a uma partida da seleção do Irã pela primeira vez em quase três anos, durante as Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2022, contra o Iraque. Entretanto, no início de abril, a decisão das autoridades de negar mais uma vez a entrada de mulheres em um estádio no leste do país para um jogo da equipe nacional causou indignação.

Na última data Fifa, os jogos amistosos contra Uruguai e Senegal aconteceram com portões fechados, por questões de segurança. 

 

Post de Ali Daei, ex-jogador e maior ídolo do futebol iraniano:

Minha pátria Irã significa: minha honra, meus pais, minhas filhas e meus compatriotas são meus irmãos e irmãs. Com certeza ficarei com eles para sempre. Em vez de repressão, violência e prisão, estigmatizando o povo iraniano como hipócritas e desordeiros, resolvam seus problemas. Aqueles que respiram a revolução e os ideais dos mártires, sabem que esses ideais não eram e não são pobreza, corrupção, prostituição, peculato, etc. Vamos nos reerguer.

Contexto atual no Irã

O Irã vive um momento de muita tensão no país. No mês passado, Mahsa Amini, de 22 anos, morreu após ser presa pela polícia da moral, por ser acusada de descumprir o rígido código de vestimenta feminino da República Islâmica, que exige cobrir o cabelo com véu e usar roupas discretas. O governo afirma que a jovem morreu de doença cerebral, e não por espancamento.

A morte de Mahsa provocou protestos nas ruas, que já duram um mês, e uma onda de violência por parte do governo para reprimir as manifestações. Vinte e três crianças já morreram por tiros ou espancadas em repressões a protestos no Irã, diz agência da ONU.

O Guia Supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, acusou Estados Unidos e Israel de fomentar a onda de distúrbios em todo o país.

O Irã está no Grupo B da Copa do Mundo, com Inglaterra, Estados Unidos e País de Gales. Inimigos históricos, iranianos e estadunidenses se enfrentam no dia 29 de novembro, pela terceira rodada da fase de grupos da Copa do Mundo.

Leia o pedido de exclusão do Irã na íntegra:

Um grupo de personalidades do futebol e esportes iranianos anuncia que, com a orientação e colaboração do escritório de advocacia Ruiz-Huerta & Crespo (de Valência, Espanha), um pedido formal foi enviado ao Conselho da FIFA e seu Presidente, Gianni Infantino, para suspender a Associação Iraniana de Futebol, Federação Islâmica de Futebol da República do Irã, com efeito imediato e, portanto, proibi-los efetivamente de participar da próxima Copa do Mundo, a partir de 20 de novembro de 2022.

A brutalidade e a beligerância do Irã em relação a seu próprio povo chegou a um ponto de inflexão, exigindo uma desassociação inequívoca e firme do mundo do futebol e do esporte. A abstinência histórica da FIFA em relação aos conflitos políticos tem sido muitas vezes tolerada apenas quando essas situações não se encontram na esfera do futebol. A situação das mulheres no Irã é profundamente desagradável no quadro político e socioeconômico mais amplo. Tragicamente, os mesmos males e injustiças são perpetuados dentro da esfera do futebol, significando efetivamente que o futebol, que deveria ser um lugar seguro para todos, não é um espaço seguro para as mulheres ou mesmo para os homens. As mulheres têm sido constantemente negadas a ter acesso a estádios em todo o país e sistematicamente excluídas do ecossistema do futebol no Irã, o que contrasta fortemente com os valores e estatutos da FIFA.

Se as mulheres não podem entrar nos estádios em todo o país, a Federação Iraniana de Futebol está simplesmente seguindo e impondo diretrizes governamentais; elas não podem ser vistas como uma organização INDEPENDENTE e livre de qualquer forma ou tipo de influência. Isto é uma violação do (Artigo 19) dos estatutos da FIFA. Esta disposição foi, no passado, a premissa para a suspensão de associações de futebol como a FA do Kuwait, a FA da Índia e até mesmo a Federação Iraniana no passado. A situação no Irã não é diferente do governo de um país que exige que a Associação de Futebol imponha uma proibição de estádios a pessoas de uma determinada raça ou etnia. Não é diferente de um governo que exige que uma associação membro mude a regra de impedimento em todas as ligas do país. Nesses outros casos, a FIFA provavelmente se moveria rapidamente para suspender tais associações membros, especialmente na segunda situação hipotética relativa às "Leis do jogo". A Federação Iraniana de Futebol claramente carece de autonomia para aplicar os Estatutos da FIFA pela carta, seus Regulamentos e, o mais importante, seus valores caros.

Se, entretanto, a FIFA pensa que a Associação Iraniana de Futebol não está sob a influência de seu governo, e está agindo unicamente como uma organização independente, então proibir todas as mulheres de entrar nos estádios e participar da Copa do Mundo viola os Artigos 3 e 4 dos Estatutos da FIFA (a FIFA respeitará e protegerá os direitos humanos reconhecidos internacionalmente). Pelo artigo 16 dos mesmos Estatutos, o Conselho da FIFA está estatutariamente habilitado a tomar medidas drásticas e imediatas contra eles. O Conselho da FIFA pode e deve suspender imediatamente o Irã.

A FIFA deve escolher um lado. A neutralidade da FIFA não é uma opção, dado que a FA iraniana não tem sido neutra, mas tem sido mobilizada para fortalecer a opressão e a exclusão sistemática das mulheres no ecossistema esportivo. Além das mulheres, o governo iraniano também abafou as vozes de vários atletas no país e impediu seus direitos de falar diante do mal em exibição. Jogadores da equipe nacional como Hossein Mahini, Aref Gholami e ex-jogadores proeminentes como Ali Karimi e Ali Daei, foram alvo de prisão, assédio ou ameaças do governo. Chegou a hora de a FIFA agir; basta.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS