Pensar Piauí

O maior navio de guerra da América Latina chegou ao RS. Conheça como ele é

Embarcação de 200 metros de comprimento já foi utilizada na tragédia de São Sebastião, no litoral de São Paulo

Foto: ReproduçãoMaior navio de guerra da América Latina
Maior navio de guerra da América Latina

CNN - O Navio Aeródromo Multipropósito Atlântico (NAM Atlântico), o maior navio de guerra da América Latina, deixou na quarta-feira (8), às 15h, a base naval do Rio de Janeiro rumo a cidade de Rio Grande, no litoral do Rio Grande do Sul, chegando a poucos instantes naquele estado.

Com impressionantes 200 metros de comprimento, o super navio levou à bordo 1.100 militares da Marinha, entre fuzileiros navais, profissionais de saúde e integrantes da tripulação. Eles uniram esforços e colocaram dentro da embarcação 40 viaturas, incluindo carros anfíbios que são semelhantes a tanques de guerra e têm facilidade de locomoção na água.

Também estão sendo transportados oito embarcações de pequeno e médio porte, três helicópteros e mais de 80 toneladas de suprimentos, como roupas e alimentos, doados pela população do Rio de Janeiro para as vítimas das chuvas no Sul do país.

O navio de guerra possui convés das viaturas, hangar para estacionamento e manutenção de aeronaves e na parte superior, o convoo, com capacidade de operar com até 6 pousos ou decolagens simultâneos de aeronaves. Enquanto não recebe os helicópteros, o convoo está sendo utilizado para transporte de viaturas e até de uma “ambulancha”, uma embarcação tal qual uma ambulância, que será empregada no atendimento aos feridos.

Sobre o atendimento à população, o Navio Atlântico é equipado com um hospital completo. A estrutura conta com sala para atendimento de emergência, enfermaria com oito leitos, centro cirúrgico e uma Unidade de Tratamento Intensivo (UTI). Profissionais de saúde, entre médicos, enfermeiros, dentistas e farmacêuticos disseram que o hospital está pronto para ser utilizado de acordo com a demanda.

O maior navio de guerra da América Latina está levando ainda para o Sul do país duas estações móveis para tratamento de água. Juntas, elas são capazes de produzir até 20 mil litros de água potável por hora. De acordo com o boletim do governo do Rio Grande do Sul, mais de 500 mil pessoas estão sem água no estado. As estações de tratamento serão utilizadas para suprir parte da demanda das cidades que sofrem com a escassez desde o rompimento das barragens.

“Essa estação trata água doce e não salgada. Ela consegue purificar a água que chega com muitas partículas e impurezas. Hoje, existe uma demanda muito grande de água potável no Sul e será de grande ajuda”, disse o Contra-Almirante Nelson Leite, comandante da Primeira Divisão da Esquadra.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS