O dia (noite) do Brasil nas Olimpíadas

Vitória no futebol, choro no judo e muito mais

Foto: GEMatheus Cunha
Matheus Cunha

Futebol

Não foi uma grande atuação da seleção brasileira, mas a vitória e o primeiro lugar vieram com os 3 a 1 do Brasil sobre a Arábia Saudita - gols de Matheus Cunha e Alamri, no primeiro tempo, e dois de Richarlison, nos últimos 15 minutos da segunda etapa.

A seleção de Jardine aguarda o segundo lugar do grupo C, que tem, embolados, Espanha, Austrália, Argentina e até Egito na disputa pelas duas vagas.

O Brasil volta a campo no sábado, às 7h, novamente em Saitama, palco da vitória desta quarta-feira, contra os sauditas

Primeiro tempo

Com cinco defensores, a Arábia Saudita parecia que armaria uma muralha na frente da área e só. Mas não foi bem assim. Com Matheus Henrique na vaga de Douglas Luiz, a seleção brasileira teve dificuldade para criar em boa parte da primeira etapa.

O gol saiu aos 13 minutos, em cobrança de escanteio de Claudinho para Matheus Cunha, que fez seu 19º gol com André Jardine, o primeiro nas olimpíadas de Tóquio.

Mas a vantagem durou pouco mais de 10 minutos. Em cobrança de falta, Diego Carlos não alcançou, Alamri se antecipou a Daniel Alves e marcou de cabeça.

O Brasil perdeu duas ótimas chances com Antony, uma de cabeça em cruzamento de Arana e outra depois de boa jogada de Matheus.

Segundo tempo

Pressionados pelo gol de Costa do Marfim durante o segundo tempo contra a Alemanha, o que tiraria o primeiro lugar do Brasil com empate, a seleção brasileira foi ao ataque, com Malcom no lugar de Antony e mais liberdade para os avanços de Daniel Alves.

Matheus Cunha perdeu chance inacreditável depois de boa chegada de Matheus Henrique no ataque. O camisa 9 brasileiro bateu de primeira, no rebote, na trave. O gol de desempate saiu, enfim, em nova jogada de bola parada. Daniel Alves botou na área, Bruno Guimarães, esperto, tocou de cabeça e Richarlison desviou para o gol.

Nos minutos finais, Richarlison marcou mais uma vez, depois de ótima jogada entre Reinier e Malcom. O Pombo é o artilheiro das Olimpíadas, com cinco gols. Gignac, da França, tem quatro.

Foto: GEMaria Portela
Maria Portela

Judo 

Mais uma noite de Olimpíadas de Tóquio 2020 e mais uma polêmica envolvendo a arbitragem de um evento com brasileiro. Mas se na véspera o ouro de Ítalo Ferreira ajudou a superar a decepção com a eliminação de Gabriel Medina com nota duvidosa, na madrugada de terça para quarta-feira não houve uma medalha que apagasse a tristeza com a eliminação de Maria Portela. O país se revoltou com a derrota da judoca brasileira por acúmulo de punições nas oitavas de final da categoria até 70kg feminino.

Portela havia estreado bem, com um rápido ippon em 28s contra a afegã Nigara Shaheen. Nas oitavas de final, porém, disputou uma batalha de quase 15 minutos contra a russa Madina Taimazova. Após terminar os quatro minutos regulamentares sem pontuações, as duas foram empatadas para o ponto de ouro, que durou quase 11 minutos.

Poderia ter terminado no terceiro minuto, quando Maria projetou Taimazova, que tocou os ombros no solo antes de girar e cair de frente, num aparente wazari. O árbitro Everardo Garcia não deu ponto e o lance foi à revisão em vídeo, mas mesmo assim a pontuação não foi concedida. A luta seria decidida com a terceira punição (shido) por falta de combatividade de Portela, após quatro entradas seguidas da russa.

Representante brasileiro na categoria até 90kg masculino, Rafael Macedo foi eliminado na primeira luta, com um ippon em 30 segundos.

Foto: GELaura Pigossi e Luisa Stefani
Laura Pigossi e Luisa Stefani

Tenis 

Laura Pigossi e Luisa Stefani continuam fazendo história nas Olimpíadas de Tóquio. Nas quartas de final nesta quarta-feira, no Parque de Tênis Ariake, a dupla feminina do Brasil bateu por 2 sets a 1 as americanas Bethanie Mattek-Sands e Jessica Pegula, com parciais de 1/6, 6/3 e 10/6 no tie-break. Elas já garantiram ao menos a disputa por medalha, seja na final pelo ouro ou na disputa do bronze caso não passem pela semifinal.

Na semifinal, elas enfrentarão a dupla vencedora do duelo entre Ellen Perez/Samantha Stosur (AUS) e Belinda Bencic/Viktorija Golubic (SUI). No ranking de duplas da WTA, Laura Pigossi é a número 148, e Luisa Stefani a 23ª colocada.

Foto: GEMartine Grael e Kahena Kunze
Martine Grael e Kahena Kunze

Vela 

Martine Grael e Kahena Kunze até conseguiram se recuperar no segundo dia na vela 49er FX feminino. Porém, o mau desempenho na primeira de três regatas, na madrugada desta quarta-feira (tarde em Tóquio) fez a dupla brasileira cair para quinto na classificação geral. As velejadoras buscam o bi olímpico.

Campeãs na Rio 2016 e vice mundial em 2019, Martine e Kahena são esperanças de medalha ao Brasil. Elas ficaram em terceiro no primeiro dia de competições em Tóquio. Charlotte Dobson e Saskia Tidey, da Grã-Bretanha, lideram a competição.

A quarta foi de três regatas na Baía de Enoshima. Na primeira, a dupla brasileira terminou em décimo. Posteriormente, conseguiu melhorar. Na segunda, sétimo. E na terceira, sexto.

Com este desempenho, Martine e Kahena chegaram aos 29 pontos. A dupla líder soma 13. Na vela, a posição de chegada em cada regata representa o número de pontos somados por cada dupla - o pior resultado é descartado.

As dez duplas que tiverem a menor pontuação ao término de 12 regatas se classificam para a regata da medalha, com pontuação dobrada, que coroará o pódio olímpico.

Foto: GEAna Sátila
Ana Sátila

Canoagem

Ana Sátila mostrou, nesta quarta-feira, que pode beliscar uma medalha no C1 feminino da canoagem slalom nas Olimpíadas de Tóquio 2020. A brasileira teve a quarta melhor marca das eliminatórias da prova: 109s90. Ela foi obtida na segunda das duas descidas no Centro de Canoagem Slalom Kasai, colocando a canoísta na próxima fase com grande tranquilidade. A semifinal e a final do C1 feminino serão disputadas nesta quinta-feira, a partir das 2h (horário de Brasília).

Foto: GEMarcos D'Almeida
Marcos D'Almeida

Tiro com Arco 

Marcus D'Almeida está nas oitavas de final do tiro com arco dos Jogos de Tóquio. O brasileiro venceu o holandês Sjef van den Berg na madrugada desta quarta-feira (horário de Brasília) depois de passar pelo britânico Patrick Huston na primeira fase. O adversário das oitavas será o italiano Mauro Nespoli, às 21h30 da próxima sexta-feira.

O brasileiro venceu os dois confrontos por 7 a 1. O resultado é o melhor de um arqueiro brasileiro na história do tiro com arco em Olimpíadas. 

Foto: MSNBoxe
Boxe

Box

Com apenas 21 anos, o campeão das Olimpíadas da Juventude 2018, Keno Marley Machado já começou nocauteando os obstáculos na madrugada desta quarta-feira (28) em Tóquio. Na categoria meio-pesado o brasileiro ganhou com a pontuação de 20 a 18 (quatro vezes) e 20 a 17, a última nota destoou das dos demais juízes, mas não atrapalhou vitória. E Keno avançou para as quartas de final, na qual luta na próxima sexta-feira (30).