Ministério Público acionará Justiça para garantir UTI em maternidade municipal

Ministério Público acionará Justiça para garantir UTI em maternidade municipal


Foi realizada ontem, no Ministério Público do Estado, uma audiência com o Promotor de Justiça, Sr. Eny Marcos Vieira Pontes, que tratou do possível fechamento de leitos de UTI Neonatal da Maternidade Wall Ferraz (CIAMCA). O objetivo da audiência era assinar um termo de ajuste de conduta entre a secretaria estadual de saúde(SESAPI) Fundação Municipal de Saúde (FMS), porém nenhum dos dois gestores compareceram.

Sendo efetivado esse ajuste, a responsabilidade pelos leitos de UTI neonatal no Estado do Piauí seria de exclusividade da Maternidade Evangelina Rosa (MDER). Desta forma seriam extintos os sete leitos de UTI neonatal existentes na Maternidade Wall Ferraz( CIAMCA), que ficará apenas com leitos de UCinco ( cuidados intermediários).

Mesmo sem os representantes legais dos dois órgãos a audiência ocorreu com várias discussões, principalmente abordando os pontos negativos que poderão ocorreu caso esse ajuste venha acontecer.

Os profissionais envolvidos, as entidades de classe, as sociedades de terapia intensiva, os conselhos de classe e de saúde , bem como representantes da sociedade civil estão se posicionando contra. Segundo eles, tal fato poderá implicar em aumento considerável no risco de morte de bebês de Teresina, dos outros municípios e até mesmos de Estados vizinhos, além de piorar as sobrevidas dos mesmos ou deixar sequelas.

Além do Promotor de Justiça nenhum representante da categoria medica foi a favor da concentração de todas as UTIs Neonatais na Maternidade Evangelina Rosa, segundo eles , transferir os leitos não vai resolver o problema e das quatro maternidades do município, a maternidade Wall Ferraz é a que apresenta maior resolutividade nos casos.

Ao final da audiência o Promotor Eny Marcos Vieira afirmou que vai ingressar com ação na Justiça para evitar que a maternidade Wall Ferraz fique sem UTIs.