INSS: Gastos de Bolsonaro com cartão corporativo bancariam 25 mil aposentadorias

A quantia também pagaria a renda de 4.341 aposentados que ganham o teto, que hoje é de R$ 7.507,49

Foto: ReproduçãoGasto de Bolsonaro foi quase o triplo do divulgado
Gasto de Bolsonaro foi quase o triplo do divulgado

 

Os gastos no cartão corporativo de Jair Bolsonaro equivalem a 25 mil aposentadorias do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social). Em fevereiro de 2019, o ex-presidente prometeu que a reforma da previdência seria para combater o privilégios, mas gastou cerca de R$ 27,6 milhões (R$ 32,6 milhões atualizados pela inflação) depois disso. A informação é da coluna de Rômulo Saraiva na Folha de S.Paulo.

Se o valor gasto pelo ex-presidente fosse usado no caixa do INSS, a quantia corresponderia ao pagamento do benefício a 25.038 aposentados no valor de um salário mínimo. A quantia também pagaria a renda de 4.341 aposentados que ganham o teto, que hoje é de R$ 7.507,49.

Bolsonaro chegou a gastar, em maio de 2019, R$ 55,2 mil em uma padaria do Rio de Janeiro. Também gastou R$ 62 mil em outra em Santa Catarina, além de R$ 362 mil numa terceira.

Antes de poder usar o cartão corporativo, no entanto, ele recebia uma renda previdenciária. Desde 1988, o ex-capitão ganhava mensalmente R$ 11.945,49 na reserva do Exército. Ele se aposentou aos 33 anos, o que só ocorre com aposentados por invalidez ou outras exceções.

O ex-presidente tem direito, desde 2019, de se aposentar com R$ 30.934,70 de renda mensalmente, mas deixou para pedir o benefício em 2022, perto do fim de seu mandato. Somadas, as rendas correspondem a R$ 42 mil ao mês.

Gasto de Bolsonaro foi quase o triplo do divulgado

Os gastos do cartão corporativo durante a gestão de Jair Bolsonaro foram quase o triplo do que foi divulgado na última semana. Segundo planilhas que foram publicadas no último dia 16, o ex-presidente gastou R$ 27,6 milhões entre 2019 e 2022. O valor, no entanto, é de R$ 75 milhões no mesmo período, segundo o Portal da Transparência. A informação é do portal UOL.

Nas planilhas, consta que R$ 4,9 milhões foram gastos em 2022, valor que é de R$ 22,8 milhões no portal. Os documentos foram publicados em resposta a um pedido de Lei de Acesso à Informação (LAI), mas não se sabe se os gastos são somente do ex-presidente e de sua equipe de segurança ou se englobam outros órgãos, como Gabinete de Segurança Institucional (GSI) e Agência Brasileira de Inteligência (Abin).

Os gastos são discriminados no Portal da Transparência, mostrando, por exemplo, qual órgão foi o responsável pelo gasto. No caso das planilhas, isso não ocorre, mas elas mostram os estabelecimentos onde houve compra, enquanto no portal eles aparecem como “sigilosos”.

“O que não está esclarecido é o que significam afinal esses dados que eles divulgaram. Será que é só um pedaço? Falta atualizar, falta colocar os dados com viagens internacionais ou se colocaram só um órgão? Sem essas informações fica muito difícil fazer qualquer comparativo”, afirma Luiz Fernando Toledo, cofundador da agência “Fiquem Sabendo”, responsável pela divulgação das planilhas.
 

Com informações do DCM 

ÚLTIMAS NOTÍCIAS