Após tragédia Yanomami, governo exonera 38 pessoas e dispensa 5 na Funai

As mudanças foram assinadas pelo ministro da Casa Civil, Rui Costa

Foto: ReproduçãoSede da Funai em Brasília
Sede da Funai em Brasília

Após decretar emergência no território yanomami, o governo Lula promoveu mudanças em vários cargos da Funai (Fundação Nacional dos Povos Indígenas). Em edição extra do Diário Oficial ontem foram publicadas 38 exonerações, cinco dispensas e uma nomeação no órgão.

As mudanças foram assinadas pelo ministro da Casa Civil, Rui Costa. A lista de baixas inclui:

22 coordenadores regionais;

15 coordenadores de setores;

3 assessores e o chefe de gabinete da presidência do órgão;

o diretor do Museu do Índio;

o corregedor da Funai.

Na manhã de ontem, o governo já havia publicado a exoneração de 11 coordenadores de saúde indígena. Assim, ao menos 54 servidores deixaram seus cargos ligados à saúde e à assistência aos povos indígenas do país em apenas um dia.

Lula visitou povo e criticou Bolsonaro

No final de semana, Lula visitou a população yanomami em Roraima e criticou o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) por priorizar as motociatas e ter "abandonado" o povo indígena, assolado por garimpo ilegal, fome, desnutrição e morte.

Mais de 500 crianças yanomamis morreram por contaminação por mercúrio, desnutrição e fome, "devido ao impacto das atividades de garimpo ilegal na região", segundo o Ministério dos Povos Indígenas.

Conforme mostrou o colunista do UOL Carlos Madeiro, a invasão da Terra Yanomami por garimpeiros ilegais ao longo dos últimos anos provocou ocupação e fechamento de postos de saúde e um caso suspeito de estupro, entre outros crimes.

O governo Bolsonaro escreveu cartas para as entidades internacionais dando garantias de que os yanomamis estavam sendo atendidos e que programas específicos sobre a saúde do grupo tinham sido implementados. O relato do governo, no entanto, contrasta com as imagens que circularam o mundo, mostrou o colunista do UOL Jamil Chade.

O que mudou na Funai?

Quem foi exonerado:

Tatiana Marques Garcia (coordenadora regional de Campo Grande - MS);

Valdir Roloff (coordenador regional de Dourados - MS);

Jose Patta Moreira (coordenador regional de Ponta Porã - MS);

Alvaro Luis de Carvalho Peres (coordenador regional de Xavante - MT);

Enoque da Silva Sampaio (coordenador regional do Norte de Mato Grosso - MT);

Jose Ciro Monteiro Junior (coordenador regional de Alto Purus - AC);

Fernando Queiroz de Freitas (coordenador regional do Médio Purus - AM);

Francisco de Souza Castro (coordenador regional de Manaus - AM);

Feliciano Borges Neto (coordenador regional do Rio Negro - AM);

Jorge Gerson Baruf (coordenador regional do Alto Solimões - AM);

Ilton Lima da Silva (coordenador regional do Amapá e Norte do Pará - AP);

Martim Correia de Freitas (coordenador regional do Tapajós - PA);

Adalberto da Conceição Oliveira Bezerra (coordenador regional do Baixo Tocantins - PA);

Raimundo Pereira dos Santos Neto (coordenador regional do Kayapó Sul do Pará - PA);

Sidcley José Sotele (coordenador regional de Cacoal - RO);

Saulo Roberto Franco Santarém (coordenador regional de Guajará-Mirim - RO);

Osmar Gomes de Lima (coordenador regional do Araguaia Tocantins - TO);

Márcio José Neri Donato (coordenador regional do Nordeste I - AL);

Francisco Emanoel Cunha Sousa (coordenador regional do Nordeste II - CE);

Clotário de Paiva Gadelha Terceiro Neto (coordenador regional de João Pessoa - PB);

Gilberto da Silva Faria (coordenador regional do Litoral Sudeste - SP);

Elton Henrique de Sá Magalhães (coordenador da Frente de Proteção Etnoambiental - Awá - MA);

Roldan Jara de Alencar (coordenador de delimitação e análise);

Elaine Cristina Vaz Quintella Garcia de Oliveira (coordenadora de geração de renda);

Wilde Ferraz Fernandes Junior (coordenador de projetos demonstrativos, monitoramento e avaliação);

Josiane de Souza Dourado (coordenadora de produção sustentável);

Josiana Zanotelli dos Santos (coordenadora de ações de mitigação, compensação e controle ambiental);

Matheus de Almeida Roberto (chefe de gabinete da Funai);

Alexandre Rocha dos Santos (assessor do presidente da Funai);

Sanuse Martins De Queiroz (assessora do presidente da Funai);

Inoilson Queiroz (assessor do presidente da Funai);

Mauricio Ricardo Anjo Teixeira Pires (coordenador-geral de identificação e delimitação);

Geovanio Oitaia Pantoja (coordenador-geral de índios isolados e de recente contato);

Alcir Amaral Teixeira (coordenador-geral de monitoramento territorial);

Natalia Chaves Dias (coordenadora-geral de promoção dos direitos sociais);

Claudia Cristina Azevedo Ramos (coordenadora-geral de recursos logísticos);

Giovani Souza Filgo (diretor do Museu do Índio);

Denis Raimundo de Quadros Soares (coordenador-geral de promoção ao etnodesenvolvimento).

Quem foi dispensado:

Leonardo Queiroz da Silva (coordenador-geral de assuntos fundiários);

Paula Cristina de Lima Neto Santana (coordenadora-geral de gestão ambiental);

Camilla Rodrigues Marques (coordenadora-geral de gestão estratégica);

Aurisan Souza de Santana (corregedor da Funai);

José Henrique de Faria Rosa (coordenador de demarcação).

Quem foi nomeado:

Lucia Alberta Andrade de Oliveira (diretora de promoção ao desenvolvimento sustentável).

Com informações do Bol Notícias

ÚLTIMAS NOTÍCIAS