Entidades criam projeto piloto de habitação, cultura e infraestrutura para famílias do bairro Mafrense

O projeto vai contemplar ruas com obras de infraestrutura para evitar alagamentos e que as famílias saíam de suas casas no período chuvoso

Foto: Reprodução/Gabriel PaulinoReunião com a vice-governadora Regina Sousa
Reunião das entidades responsáveis pelo projeto com a vice-governadora Regina Sousa

Entidades comunitárias de Teresina desenvolveram o projeto piloto com um perfil e caráter para a implantação de uma Zona Especial de Habitação de Interesse Social (ZEIS) que será realizado no bairro Mafrense, zona Norte de Teresina. O projeto vai contemplar ruas com obras de infraestrutura para evitar alagamentos e que as famílias saíam de suas casas no período chuvoso.

“A crise ambiental e a exclusão social demandam a necessidade de elaborar um novo projeto para o desenvolvimento sustentável, aproveitando o potencial ambiental e cultural da região, estimulando suas vocações e incidindo em um melhor preparo para lidar com as tendências evolutivas e seus impactos. Esse projeto prevê o reconhecimento da relação entre natureza e cultura, priorizando os recursos naturais e os sentidos culturais que permeiam a construção um modelo inclusivo e democrático”, diz o trecho do documento feito pelas entidades.

Foto: Reprodução/EntidadesVisita do governador ao bairro Mafrense
Visita do governador ao bairro Mafrense

Foto: ReproduçãoVisita às famílias do bairro Mafrense
Visita às famílias do bairro Mafrense

O projeto propõe a implantação no bairro Mafrense em todo o percurso e contorno da Rua Manoel de Aguiar (compreendendo a Rua Cheia/Francisco Pimentel até a Av. Flávio Furtado – margem do Rio Poty), o que deverá comtemplar cerca de 13 ruas.

Os demais objetivos são:

- Trabalhar a proteção e sintonia entre as lagoas e residências, assegurando a construção e/ou reforma das casas dos moradores já assentados na área; e implantação de equipamentos públicos que contemplem as políticas como esporte, cultura, lazer, geração de renda entre outras (ex: área de caminhadas e/ou ciclismo, etc);

- Limpeza permanente das lagoas com gestão de participação comunitária (monitoramento, acompanhamento e tomada de decisões), no funcionamento das bombas para garantir funcionamento adequado;

- Incentivo ao planejamento e preservação dos quintais produtivos das famílias no entorno;

- Capacitação para trabalho e geração de renda para jovens e mulheres;

- Levantamento, Incentivo e fortalecimento das aptidões artísticas, culturais e produtivas;

- Trabalho de ciranda permanente com crianças;

- Pavimentação e/ou calçamento em toda a área assistida pelo projeto;

Representantes da ASCOBAM, ASCEDAM, Arquidiocese (Direitos Humanos), Clube de Mães do Mafrense, CUFA, FAMCC, FECOPI, Gaz do Norte, Instituto Clube Mafrense, Movimento Despojo Zero, Movimento Nacional de Luta pela Moradia e Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro assinaram o documento do projeto e se reuniram com autoridades em busca de apoio.

O projeto foi entregue ao governador Wellington Dias, a vice-governadora Regina Sousa, a vereadora Elzuila Calisto, a Defensoria Pública do Piauí e também foi realizada uma reunião com a equipe de governo com representantes da SASC, ADH, Secretaria de Meio Ambiente, Supres, Administração e as Coordenadorias de Juventude e Mulheres.

Foto: Reprodução/EntidadesApresentação do projeto para a vereadora Elzuila Calisto
Apresentação do projeto para a vereadora Elzuila Calisto

Foto: Reprodução/EntidadesReunião na Defensoria Pública do Estado
Reunião na Defensoria Pública do Estado

Foto: Reprodução/EntidadesReunião com a equipe de governo
Reunião com a equipe de governo

Foto: Reprodução/EntidadesApresentação do projeto para as equipes de governo
Apresentação do projeto para as equipes de governo

“Estivemos visitando as famílias alagadas na zona norte logo após as inundações. Um cenário triste e desolador, famílias assustadas, que perderam quase tudo do pouco que tinham. Acompanhamos a visita do governador Wellington Dias às áreas, onde em seguida nos somamos as outras organizações para que juntos busquemos uma solução não só emergencial, que destaco que se faz necessário e importante, tendo em vista as centenas de familias atingidas e desabrigadas.

Esse conjunto de entidades a qual faço parte representando a FAMCC-PI tem como objetivo discutir e trabalhar junto ao poder público uma pauta ousada, no qual trate um plano de escoação e drenagem de águas, além da construção e manutenção de galerias. Teresina não aguenta mais ano após ano o caos que se instala e vive a população. Iniciamos o diálogo com Governador do Piauí, e esperamos que a gestão municipal tenha a mesma sensibilidade e reconhecimento pela importância da participação dos movimentos sociais na construção de políticas públicas que tragam soluções para a problemática da cidade”, destaca Neide Carvalho.

As entidades ressaltam ainda no documento que a situação tem caráter emergencial. “Considerando que a partir do caráter emergencial da situação enfrentada se constituiu uma REDE DE PARCERIAS, composta pela comunidade, organizações representativas dos movimentos sociais e instituições de direitos humanos, a qual tem feito o acompanhamento e buscado soluções que venham garantir minimamente o atendimento emergencial das famílias afetadas, dentre outras necessidades e problemáticas surgidas a partir da situação causada pelos desastres”.

O projeto segue em construção e em diálogo com as autoridades locais para que seja realizado e traga uma vida digna para a população  do bairro Mafrense e região.