Duas posições petistas na Reforma da Previdência

Duas posições petistas na Reforma da Previdência


Por Sâmia Menezes, jornalista
O projeto de reforma da Previdência Social caminha na Câmara dos Deputados e semana que vem terá momentos decisivos.
Na terça-feira em Brasília, haverá mais uma agenda do Fórum Norte e Nordeste sobre Pauta Federativa. Na oportunidade os governadores da região vão procurar uma unidade em relação a este tema tão polêmico. A retirada de pontos apresentados pelos governadores foi um passo. Mas, segundo o governador do Piauí, Wellington Dias, é preciso dar outros.  "Nós, governadores, defendemos a PEC autorizar que os Estados possam criar o Fundo Estadual para Equilíbrio da Previdência, e garantir receitas novas como da Cessão Onerosa de Petróleo, bônus de assinatura e Fundo Social, tributação sobre lucro e dividendo e securitização da Dívida Ativa, bem como IRPF de servidores sejam vinculados para cobrir o déficit da previdência", declarou com exclusividade ao pensarpiauí. Todos estes projetos já estão em emendas.
Por outro lado o presidente do PT do Piauí, deputado federal Assis Carvalho, mesmo afastado de suas atividades políticas por problemas de saúde reafirma que segue a orientação da bancada do PT e que não há nenhum gesto de mudar a orientação que é votar contra o projeto na sua totalidade. “Não recebi do governador Wellington Dias qualquer orientação diferente, caso venha a acontecer, deixo claro que o governador precisa dialogar com a bancada e convencer a bancada porque eu sigo a orientação de meu Partido em âmbito nacional.” Assis lembra que mesmo temas polêmicos como o BCP, desconstitucionalização da Previdência, o trabalhador rural e o regime de capitalização ficarem de fora do relatório da Câmara, mas o projeto como um todo é maléfico merecendo o voto contrário da bancada petista.