Com recorde de alistamento, voto dos jovens pode influenciar a eleição de 2022

Segmento se afastou do processo eleitoral nos últimos anos, mas pode beneficiar Lula nestas eleições

Foto: Reprodução/arquivo pessoalIsadora Cortez, militante do PCdoB e da UJS Brasil
Isadora Cortez, militante do PCdoB Piauí e da UJS Brasil

 

No Brasil, o voto é facultativo para os adolescentes de 16 e 17 anos, mas o interesse do jovem brasileiro pela política tem crescido nos últimos meses. Ao menos, é isso o que mostram os números de alistamentos eleitorais realizados nos três primeiros meses do ano. Entre janeiro e março de 2022, o Brasil ganhou 1.144.481 novos eleitores na faixa etária de 15 a 18 anos de acordo com o TSE.

A procura pelo documento é a maior registrada quando comparada às últimas Eleições Gerais, de 2018 e 2014, quando foram emitidos 877.082 e 854.838 novos títulos, respectivamente. 

Neste ano, pela primeira vez, a campanha contou com a adesão espontânea de artistas e influenciadores que são oposição ao atual governo, que dialogam diretamente com esse eleitorado, o que ajudou a impulsionar esses números. 

Além disso, o Brasil vive um momento de acirramento dos discursos políticos, com uma maior polarização para a eleição de 2022, com a disputa entre Lula (PT) e Bolsonaro (PL). Esse cenário tende a incentivar os jovens a terem um maior engajamento e, por consequência, procurarem participar mais ativamente do processo eleitoral. E, para isso, é necessário ter o título de eleitor. 

O pensarpiauí conversou com a jornalista, advogada, militante do PCdoB e da UJS Brasil, Isadora Cortez, sobre a influência dos jovens na eleição deste ano.

Confira

pensarpiauí- Qual a mudança que você acredita que os jovens podem fazer nessa eleição de 2022?

Isadora Cortez- A juventude vai cumprir um papel decisivo, mais uma vez. Fomos nós que lideramos a campanha do voto aos 16 anos. Só aqui no Piauí, 46 mil jovens vão às urnas pela primeira vez. Tem um motivo muito grande para essa turma votar: essa tragédia do governo Bolsonaro, que quer exterminar a juventude. Seja cortando o investimento destinado à educação, seja os abusos de autoridade, que, não por coincidência, atinge a juventude pobre, preta e da periferia. Então o nosso papel será decisivo: nós vamos resgatar o Brasil da esperança!

pensarpiauí- A maioria dos jovens expõem nas pesquisas uma aversão ao governo Bolsonaro. O que você acha que causou esse alto índice de rejeição?

Isadora Cortez- Acho que essa aversão se dá ao modo de como o governo agiu até aqui, de inação completa. Os índices de desemprego lá em cima, a falta de oportunidades, essa negligência no enfrentamento à covid-19 e a desesperança, que tomou conta do país. Isso dói, a falta de políticas públicas dói na pele da juventude. Eles falam de crise para implementar um projeto que é deles. Mas esse projeto não pode cair nos ombros da juventude. Nós não aceitaremos isso.

pensarpiauí- No Piauí, os jovens estão engajados para lutar pela democracia e contra o descaso do governo federal principalmente nas pautas da educação? 

Isadora Cortez-A juventude piauiense está nas ruas. Essa semana teve assembleia no IFPI sobre os cortes na educação, próxima semana, dia 09, é dia nacional de mobilização em defesa das Universidades e Institutos Federais e vamos estar nas ruas de novo. Mesmo num contexto extremamente adverso, mas aqui ninguém aceita retrocesso. Nós botamos a oligarquia para fora do governo. Não vai ser dessa vez que nós deixaremos essa turma voltar com toda força aqui no Piauí. 

pensarpiauí- Na sua opinião, a juventude, através do voto, terá a capacidade de derrotar Bolsonaro nas urnas e eleger Lula?

Isadora Cortez- Nós vamos derrotar Bolsonaro! Estamos derrotando na política, agora vamos derrotar nas urnas. A adesão à Lula hoje é grande. Mas nossa responsabilidade é grande. A juventude precisa derrotar Bolsonaro e o bolsonarismo. Ninguém aguenta mais esse governo que persegue os nossos sonhos, que quer acabar com as nossas vidas. Eu tenho muita convicção de que nós vamos vencer.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS