Jornalista

Odorico Carvalho

Jornalista

A direitalha em transe (e agindo como urubu)

Foto: InternetUrubu
Urubu

A direitalha está em transe repetindo acusações contra o governador Wellington Dias e o prefeito municipal que, segundo eles, querem mesmo é faturar com a pandemia e, para isso, tentam apavorar a população com os números de infectados, etc. Os grupos de WhatsApp deles são assustadores pela má fé e pela gama enorme de mentiras que espalham. Chegam a dizer – pasmem – que a população não deve usar nada que venha da China, respiradores, máscaras, etc., pois já vem tudo contaminado propositalmente pelo comunismo infernal. 

É como se a China tivesse virado uma nação terrorista tentando destruir o planeta inteiro para que ela pudesse reinar sobre os escombros. Paranoia total. 

E aí partem para informar, com base nas fake news do Gabinete do Ódio, que o governador já recebeu milhões de reais do Governo Federal, mas, aos olhos deles, não está aplicando. Ao mesmo tempo, recitam o velho mantra de Bolsonaro: é melhor morrer de Covid-19 de que de fome. Que precisam ir para as ruas. Não entendem que para que a população não morra de fome na quarentena é que mais de 150 países estão transferindo renda para os que precisam. Se no Brasil há os que morrem de fome – e há – isso só prova que o governo federal está mais interessado em trocar insultos nas redes com os novos inimigos que cria todos os dias. 

A direitalha, por pura ignorância, não é capaz de analisar e perceber a razão de a saúde brasileira estar em frangalhos. Vejamos: em 2007, durante o governo Lula, acabou o prazo de vigência da CPMF, imposto para a saúde criada ainda no governo FHC. No Congresso houve uma verdadeira guerra política pela aprovação de sua manutenção, o que continuaria gerando cerca de 40 bilhões por ano para a saúde. A direitalha, sob o comando do PSDB, para proteger o empresariado e prejudicar Lula, queria simplesmente extinguir a CPMF. 

No momento decisivo, Artur Virgílio, hoje prefeito de Manaus, onde os corpos se amontoam nos hospitais, ligou para FHC e exigiu que ele autorizasse o fim da contribuição e FHC, infectado pelo vírus da inveja contra Lula, autorizou. E lá se foi uma montanha de dinheiro de volta para o bolso dos ricos.

Depois derrubaram Dilma que, num discurso histórico e visionário, disse que o golpe não era contra ela e sim contra o país. Não deu outra: Temer, o golpista traidor, aprovou uma PEC que congelou por 20 anos os investimentos em saúde, educação e segurança. Lei assim não existe em lugar algum do mundo. E a saúde entrou em coma.

Com a eleição de Bolsonaro, veio o golpe final: cerca de 12 mil médicos cubanos que serviam em regiões do país onde nossos médicos jamais iriam foram expulsos do país por pura podridão ideológica, deixando os mais pobres com o pé na cova. 

E agora, essa direitalha perversa, ignorante e genocida tenta jogar nos ombros dos outros a tragédia que eles mesmos criaram. Agem como urubus, voando sobre os escombros e cadáveres e pronto para abocanhar o que lhes restar da hecatombe final. Canalhas é que são!

OBS: Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do pensarpiaui.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS