Política

Eleições 2024: o PT bota o bloco na rua!

O Partido realiza seminário preparatório para as eleições de 2024


Foto: Moura FéO PT do Piauí já está em campo para a disputa de 2024
O PT do Piauí já está em campo para a disputa de 2024

 Por Ricardo Moura Fé, jornalista, para o pensarpiaui

Presente com diretórios municipais em 215 cidades do Piauí, o PT tem metas ousadas para o ano que vem. Já são 48 prefeitos do partido no estado e mais 30 novas filiações. Os números foram divulgados no Seminário Preparatório para as Eleições de 2024, evento organizado pelo PT com o objetivo de debater e  traçar  estratégias para as próximas eleições.

Entre as filiações, alguns nomes conhecidos como Paulo Martins, que chega para somar e discutir sua candidatura a prefeito de Campo Maior.

"Vamos construir isso juntos. Eu faco parte do partido desde 2003, passei um ano fora e estou retornando agora. Fui prefeito de Campo Maior por duas vezes. Deixamos o município organizado, criamos tabela de pagamento, enfim, nenhum prefeito pagava em dia o servidor como eu fiz na minha gestão. Estou à disposição do meu partido para ajudar a construir o Piauí", disse.

O deputado estadual Francisco Limma informou que a meta do PT nacional é ter pelo menos cem candidaturas a prefeito no Piauí, para tentar conseguir eleger setenta ou oitenta candidatos. O parlamentar encarou com tranquilidade a falta de definição de pré-candidatos em algumas cidades.

Foto: Moura FéFrancisco Limma
Francisco Limma

"Quem mantém o PT animado  são essas discussões, essas disputas. O PT pratica internamente uma democracia, por isso o debate é importante. O esforço é grande para construir um consenso. Não sendo possível, vai para uma votação do Diretório Municipal. E se houver a disputa por voto, aquele que não foi o vencedor apoiará o outro candidato do PT. É assim, termina a votação fica todo mundo unido se preparando para o próximo embate", revelou.

O presidente do PT/PI, deputado estadual João de Deus, fez um resumo da disputa eleitoral em algumas cidades piauienses até o momento.

Foto: Moura FéJoão de Deus - presidente do PT
João de Deus - presidente do PT

"Em Parnaíba, o pré - candidado do partido é o deputado federal Florentino Neto,  mas vamos dialogar internamente com outros companheiros do partido que chegaram a colocar seus nomes, como é o caso do deputado estadual Rubens Viera.  A partir daí, vamos afunilar o diálogo internamente e depois com outras forças, para chegar a um posicionamento. Em Teresina, estamos avançando no diálogo dos pré-candidatos. Depois vamos conversar com outras forças. Em Campo Maior está tudo unificado, Altos está tudo unificado e em União estamos trabalhando para unificar o nome do partido, mesma situação de Parnaíba. Em Picos, vamos ter que fazer um entendimento com o MDB", analisou.

A secretária de Estado da Assistência Social, Trabalho e Direitos Humanos, Regina Sousa, também participou do primeiro dia de seminário do PT.  "Infelizmente estamos antecipando cada vez mais as eleições, isso aqui deveria acontecer só ano que vem, de janeiro em diante. Mas anteciparam, então o partido tem que debater, levar o pessoal para dar opinião. É o pontapé inicial para discutir todas as candidaturas, filiar gente nova e começar a pensar no ano que vem", analisou. Sobre Teresina, Regina Sousa acredita que haverá um consenso. "Vamos estabelecer pontos que pesam na avaliação e no final um vai ceder para o outro", disse.

Foto: Moura FéRegina Sousa
Regina Sousa

O Ministro do Desenvolvimento Social do Brasil, Wellington Dias, acredita que o partido tem grandes nomes no campo e na cidade. "Nosso compromisso é com os que mais precisam, com um Estado e país desenvolvido. E vamos apoiar quem for candidato por merecimento", informou. "Em agosto sai a definição do pré-candidato de Teresina. Temos que ver o que o povo pensa. Vai ser no entendimento. Porque além de tomar uma decisão sobre o nosso nome no PT, temos que dialogar também com outros partidos, porque somos um time e queremos manter esse time unido.  Essa é uma força importante que nós temos de vantagem nas eleições de 2024", analisou.

Foto: Moura FéWellington Dias
Wellington Dias

Rafael Fonteles, governador do Piauí, vê o evento com bons olhos. "O seminário é importante para discutir, ver o que precisa mudar. Eu venho dentro desse processo de renovação. Até porque o mundo vai mudando, as demandas vão mudando, o que não podemos perder o foco é a redução das desigualdades sociais, pois o Brasil continua sendo muito desigual. Nossa agenda é de reconstrução, é um momento especial e é claro, o PT tem todo o direito de discutir e contribuir com a gestão do maior número de municípios do Piauí", relatou o governador.

Rafael Fonteles informou que como governo "seremos leais a todos que acolheram o PT. Cada partido da base terá sua estratégia e seremos leais a essa base. Mas uma coisa é o governo, outra coisa é o PT, e como petista vou torcer muito pelo PT, pelo fortalecimento do partido, mas tem que saber separar as coisas".

Foto: Moura FéRafael Fonteles
Rafael Fonteles

O governador do Piauí também falou da disputa em Teresina. "Dentro da sua estratégia eleitoral pragmática e das limitações que impõem o estatuto, quando vai para uma disputa eleitoral tem que pesar a percepção do povo. O PT é um partido que marca por estar sempre sintonizado com o povo. Obviamente que vamos olhar os instrumentos de pesquisa eleitoral quantitativas, qualitativas, para a gente poder captar melhor o sentimento da população, além do exaustivo debate interno e externo do partido, sempre respeitando o estatuto do partido, para haver uma escolha baseada no sentimento popular", revelou.

Para a imprensa, o presidente da Assembleia Legislativa, Franzé Silva, informou que independente da escolha, o PT está preparado para governar Teresina. "Vamos trabalhar para  unificar a gestão federal com a estadual, para fazer a vida das pessoas melhorar. Não só em Teresina, mas em outras cidades também. Somos um partido que entrou para mostrar resultado, e assim estamos fazendo. Vamos continuar mudando os indicadores sociais do Piauí", disse.

Para o deputado estadual Fábio Novo, sempre há entendimento no PT. "Em 2020 foi assim também. Cada um que é filiado ao partido pode apresentar propostas e nomes. Ninguém é dono do PT, temos essa dinâmica. Éramos quatro, hoje somos dois e chegaremos a um entendimento para Teresina", ponderou.

Cícero Magalhães, presidente do Diretório Municipal de Teresina, também revelou suas expectativas no seminário. "Esperamos que os dois candidatos entrem em um consenso, como houve em 2020. Agora, se não houver entendimento, a decisão é do Diretório e os 45 membros vão votar e decidir o nome do pré -candidato a prefeito de Teresina pelo Partido dos Trabalhadores

Foto: Moura FéCícero Magalhães
Cícero Magalhães

Foto: Moura FéSeminário do PT
Seminário do PT

Foto: Moura FéSeminário do PT
Seminário do PT

Deixe sua opinião: