Polícia apreende suspeito de tentar matar professora no RN

Ele é acusado de atacar a mulher com golpes de faca na cabeça e na garganta

Foto: DivulgaçãoNathy Costa
Nathy Costa

TribunadoNorte - O adolescente de 17 anos suspeito de tentar matar uma mulher trans no sábado (14), em Santa Cruz, foi apreendido em ação conjunta das Polícias Civil e Militar, no início da tarde desta quarta-feira (17). Ele é acusado de atacar a mulher com golpes de faca na cabeça e na garganta.

Segundo a Polícia Civil, ele foi localizado em Jacoca, zona rural de Ceará-Mirim e já havia um mandato de internação em instituição que trata menores infratores. Ele não tem idade para ser encaminhado para um presídio regular. 

 Após ser detido, ele foi levado à delegacia e confessou o crime, mas alegou que agiu em legítima defesa depois de ser ameaçado pela mulher.

Ele ainda é suspeito de ter levado o carro da vítima, que já foi encontrado em Ceará-Mirim.

O caso

A motivação para o crime contra a professora Nathy Costa segue como uma incógnita. Atacada em sua residência com golpes de faca na cabeça e garganta, ela afirmou que conhecia o jovem autor do crime e que ele sempre a convidava para sair. No encontro, ela relatou que não houve nenhum desentendimento que pudesse ser considerado uma motivação ao crime.

"Conheço faz uns cinco meses e convidei para que viesse à minha casa. Fiquei um tempo conversando e depois fui me deitar. Ele pediu o meu celular emprestado para uma ligação. Nesse momento, eu até disse que quando ele quisesse ir embora, eu o deixava em casa. Logo depois, ele entrou no quarto e tentou me matar. Não tinha nada com ele. Pedi socorro a uma prima que morava por perto. Ela chegou muito rápido, acho que foi minha sorte. Eu já estava sem forças, sem conseguir ficar em pé", relatou a mulher trans, afirmando que não tinha relação amorosa com o jovem.

Após os ferimentos, a foi socorrida às pressas para o Hospital Municipal Aluízio Bezerra com auxílio de familiares. O ferimento no pescoço foi sério e ela precisou ser transferida para o Hospital Walfredo Gurgel, em Natal. A professora recebeu alta na noite desta segunda-feira (15), mas ainda debilitada, se recupera em casa e não foi ouvida pela Polícia Civil. 

Além de ser esfaqueada, a professora afirmou que foi roubada pelo suspeito. Ele levou o carro da vítima, que já foi encontrado em Ceará-Mirim. Por não ter levado outros pertences, a Polícia Civil trata o caso como tentativa de feminicídio e focou esforços nas buscas pelo autor das facadas. 

“A princípio, o caso é tratado como tentativa de feminicídio, pelo gênero da vítima. Não temos mais informações ou elementos para seguir em caminho que caracteriza crime diferente. Vamos ouvir pessoas e colher informações para confirmar se de fato foi isso que ocorreu ou se há mais um algum elemento, como a subtração de patrimônio, que possibilite uma outra classificação", explicou o delegado Jaime Groff.