Pensar Piauí

Piauí atinge 97% de imunização contra febre aftosa e registra maior índice em 9 anos

O número de animais cadastrados na Adapi ultrapassou a marca de 2 milhões, atingindo um recorde e demonstrando a eficiência da campanha

Foto: ReproduçãoImunização contra febre aftosa
Imunização contra febre aftosa

O Piauí atingiu a meta de 97,13% de imunização contra a febre aftosa, alcançando o maior índice de cobertura vacinal dos últimos nove anos. Os dados foram divulgados, nesta quinta-feira (1º), pela Secretaria de Assistência Técnica e Defesa Agropecuária (Sada), por intermédio da Agência de Defesa Agropecuária (Adapi), e são referentes a 2ª etapa da campanha de vacinação contra a febre aftosa de 2023. 

A 2ª etapa, iniciada em novembro de 2023 e finalizada no último dia 15 de janeiro, era destinada aos bovinos e bubalinos de 0 a 24 meses. 

Ao todo 660.206 animais foram vacinados, de um total de 679.716 animais envolvidos na etapa (animais de até 24 meses) distribuídos em 41.761 propriedades no estado. “Precisamos comemorar esses índices parabenizando os colaboradores da Adapi e ressaltar também a parceria entre o Governo do Estado e o setor produtivo, representado pelos criadores e estabelecimentos de revendas”, destacou o secretário da Sada, Fábio Abreu.

De acordo com a Adapi, 93 cidades atingiram 100% de imunização dos animais, o que corresponde a 41% dos municípios piauienses. “Destacamos aqui as regionais de Castelo do Piauí, Santa Cruz do Piauí e Altos que foram as primeiras a alcançarem essa conquista.”, enfatizou a coordenadora do programa estadual de Vigilância para a Febre Aftosa, Simone Lima.

Foto: CcomPiauí atinge 97% de imunização contra febre aftosa e registra maior índice em 9 anos
Piauí atinge 97% de imunização contra febre aftosa e registra maior índice em 9 anos

Outro dado importante é o crescimento do rebanho no Piauí. O número de animais cadastrados na Adapi ultrapassou a marca de 2 milhões, atingindo um recorde e demonstrando a eficiência da campanha. “Essa é uma conquista de todos, uma vez que reflete diretamente em benefícios para a cadeia produtiva, com os rebanhos protegidos e competitivos no mercado, com a garantia de segurança e qualidade dos produtos consumidos, gerando emprego e renda no campo e contribuindo para a melhoria da qualidade de vida das pessoas”, ressaltou o gerente de defesa sanitária animal, Idílio Moura.

Evolução do status sanitário

Durante a entrevista coletiva, o secretário Fábio Abreu falou sobre os esforços para que o Piauí conquiste junto ao Ministério da Agricultura e Pecuária (MAPA) o status sanitário de livre da febre aftosa sem vacinação, o que vai permitir a valorização do rebanho local, além do livre trânsito de animais e produtos para outros estados e países.

“A boa cobertura vacinal é um dos critérios importantes para alcançarmos nossa meta, mas existem outros, como otimizar a estrutura na capital e interior, execução de um plano sanitário nas divisas do Piauí com Ceará e Pernambuco, já que esses estados não vão migrar de status por enquanto, e a criação de um fundo privado para indenização de animais suscetíveis a febre aftosa. Estamos trabalhando em todos esses pontos para em breve comemorarmos essa conquista”, finalizou Fábio Abreu.

Com informações da Ccom

ÚLTIMAS NOTÍCIAS