Pensar Piauí

O acerto de contas com Sérgio Moro

Se não for condenado em Curitiba, será depois em Brasília.

Foto: DivulgaçãoSergio Moro
Sérgio Moro

 


Por Moisés Mendes, jornalista, em seu Blog 

Se for cassado pelo Tribunal Regional Eleitoral do Paraná, o senador Sérgio Moro pode recorrer ao TSE só para cumprir protocolo. Se não for condenado em Curitiba, será depois em Brasília.

Não há como Moro escapar da cassação. No seu caso, a Justiça Eleitoral cuidará – como está no site do TSE – “do respeito à soberania popular e à cidadania” e da preservação da própria instituição.

A absolvição de Moro no Paraná seria a condenação da Justiça Eleitoral e a preparação do cenário para um vexame diante da revisão inevitável em Brasília.

Porque a situação de Moro não é a mesma do prefeito manezinho acusado de abuso de poder econômico por ter oferecido ranchos a eleitores.

Moro foi denunciado por abuso no uso de dinheiro grosso na campanha e antes até de a campanha começar. O moralista de Curitiba, que desafiou o sistema político e o próprio sistema de Justiça a que pertencia, será consumido pela arrogância.

Será comido pelo sistema que o acolheu e que ele abandonou, porque já está sendo digerido pelo sistema do qual tentou fazer parte. Não há como o TRE contemporizar diante dos delitos de um político medíocre, que nem turma conseguiu ter no Congresso.

Moro vai encerrar uma carreira de um ano por não ter a mínima força política capaz de protegê-lo. Mas a cassação do seu mandato não basta.

Já tramita, por decisão do ministro Dias Toffoli, do Supremo, o inquérito sobre seu envolvimento com Toni Garcia, o investigado que diz ter virado infiltrado lavajatista de Moro entre autoridades.

Estão suspensos, também por decisão de Toffoli, os pagamentos previstos no acordo de leniência fechado pela Odebrecht com o lavajatismo. O argumento para a medida drástica é o de que o acordo foi contaminado pelos conluios de Moro com Deltan Dallagnol.

São dois casos específicos em meio a muitos delitos ainda sem abordagem formal do sistema de Justiça, como os grampos criminosos que tiveram a ordem ou a omissão do ex-juiz.

Com Sérgio Moro sem mandato de senador, sem padrinho político, sem turma e sem a proteção do corporativismo que o blindava, estará aberto o caminho para que seja confrontado com seus desatinos.

Que o inquérito sobre Toni Garcia mostre com as luzes do MP os tentáculos da Lava-Jato que tentaram alcançar altas autoridades da República, como já mostraram as reportagens de Joaquim de Carvalho no Brasil 247.

Que a reconhecimento de danos provocados pelos acertos entre Moro e Dallagnol leve a novas investigações sobre essa convivência delituosa, da qual se sabe muito, mas ainda não se sabe tudo.

E que também a investigação do caso da fundação de R$ 2,5 bilhões, quase criada por Dallagnol, também contribua para mostrar se havia participação de Moro nesse esquema.

O pedido de abertura de inquérito sobre a fundação foi encaminhado agora, em dezembro, à Procuradoria-Geral da República pelo MP Federal do Paraná, depois de ser assunto em hibernação por muito tempo.

Mesmo que Moro já tivesse abandonado a magistratura, em novembro de 2018, para trabalhar para Bolsonaro, quando o acordo para criação da fundação foi homologado, em março de 2019, pela juiíza Gabriela Hardt, foi Moro quem esteve ao lado de Dallagnol por cinco anos.

Moro não sabia de nada do plano de criação da fundação bilionária, aquela da qual até a Transparência Internacional pretendia, em nome de sua alma transparente, ficar com um pedaço?

O julgamento de Moro no TRE foi adiado, não acontece mais no dia 8 de fevereiro e não se sabe quando vai acontecer. Como o resultado, seja qual for a data, é previsível, vamos nos preparar para o que virá depois.

E o que virá, para todos os que esperaram até agora pela punição do justiceiro de Curitiba, poderá ser um banquete.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS