Na Bahia, prefeito inaugura banheiro

Não é banheiro químico, é banheiro seco

Foto: DivulgaçãoInauguração
Inauguração

AratuOn - A inauguração de um sanitário químico no município de Casa Nova, no Norte da Bahia, teve pompa inusitada, nesta segunda-feira (31/5), diante da entrega de uma obra com pequeno porte de investimento, apesar da importância de sua utilidade.

O evento de inauguração contou com a presença não só do prefeito Wilker do Posto (PSB), mas de outras autoridades locais. Após o descerramento da faixa que envolvia o equipamento público, houve os olhares curiosos dos presentes e a comemoração pela chegada da obra.

Após alguns internautas fazerem chacota com a inauguração do sanitário químico, a Fundação Luís Eduardo Magalhães (Flem), responsável pela implantação do item, emitiu na manhã dessa terça-feira (1/6) uma nota explicando os benefícios que a instalação irá levar à população.


Segundo a Fundação,quase seis milhões de pessoas no Brasil ainda não têm um banheiro em sua própria residência. Pelo menos 250 pessoas do semiárido-baiano serão beneficiadas pelo projeto inaugurado, que reúne agricultura, meio ambiente, assistência social e saúde.

Diferentemente dos banheiros químicos, o módulo de sanitário sustentável, apelidado de banheiro seco, é um sistema autônomo que garante um manejo higiênico e seguro.

O banheiro seco cumpre todas as funções de um sanitário convencional sem utilizar água em seu sistema, além de produzir insumos que podem ser utilizados para fertilização de plantações e agroflorestas.

Ele ainda funciona sem energia, sem produtos químicos e com manutenção semestral. Por conta de um sistema especial de exaustão, os equipamentos fornecem conforto técnico e nenhum odor.

De acordo com o presidente da Fundação Luís Eduardo Magalhães, Rodrigo Hita, o sistema sanitário pode ser empregado em todas as regiões rurais de clima quente em condições áridas ou semiáridas. Seu melhor funcionamento requer: baixa umidade, radiação solar intensa e altas taxas de evaporação.

Como funciona 

As fezes e urina se convertem em resíduo seco e torna-se fertilizante sem precisar de água, segundo a empresa JCR, desenvolvedora do projeto. “Esta tarefa pode ser executada com facilidade, segurança e de forma higiênica por uma só pessoa, sem necessidade de equipamentos especiais. O manejo do resíduo seco e estabilizado não causa nenhum impacto negativo para o meio ambiente”, assegura João Garcez, diretor da empresa JCR.

Até o momento, 23 banheiros familiares foram instalados na localidade de Macambira, um para cada família, e um outro banheiro escolar foi instalado na localidade de Bem-Bom.

Todos os beneficiários foram treinados para o uso e manutenção dos sanitários. Além disso, utensílios de limpeza e higiene foram fornecidos para auxiliar a população no processo de limpeza e conservação.