Manuel Domingos escreve ao SESC sobre Colégio Jair Bolsonaro

Manuel Domingos escreve ao SESC sobre Colégio Jair Bolsonaro

Foto: GoogleManuel Domingos
Manuel Domingos

   CARTA AO SESC Prezado SESC, Sabendo de sua iniciativa de inaugurar o COLÉGIO MILITAR PRESIDENTE JAIR BOLSONARO em Parnaíba, ocorrem-me perguntas. Para agradar o homenageado o SESC negará a sua reputada experiência pedagógica, respeitosa da diversidade, ou ensinará aos adolescentes que o Brasil só terá jeito matando 30 mil pessoas, a começar por Fernando Henrique Cardoso? E que Lula precisa morrer na cadeia? Oferecerá cursos de tortura, prática necessária para manter o Brasil na linha? Quais modalidades serão privilegiadas? Choque elétrico nas genitálias, pau de arara, sufocamento com saco plástico, afogamento hidráulico, chutes nos rins e no fígado, pancadas simultâneas nos dois ouvidos de sorte a que o vácuo provocado estoure os tímpanos dos inimigos da pátria? As salas de aula homenagearão os heróis de Bolsonaro, como Brilhante Ulstra e Sergio Fleury? Ou a preferência será dada aos assassinos mais graduados como os generais Médici, Geisel e Figueiredo? Na lista oficial dos torturadores constam 377 nomes. Haverá comissão para designar os que melhor serviram à Pátria? Quanto aos ensinamentos cívicos, o SESC editará cartilhas demonstrando aos jovens que a polícia deve matar segundo seu próprio critério, que direitos humanos foram inventados por comunistas sem alma e que há mulheres merecedoras de estupro? Os alunos aprenderão que a liberação da compra e do porte de armas garantirá a segurança dos cidadãos? Ensinará que o desenvolvimento do Brasil depende da extinção de programas sociais para melhor beneficiar os grandes especuladores? Que ficará melhor com a retirada dos direitos dos trabalhadores, inclusive dos aposentados? E que os nordestinos merecem ser discriminados e humilhados? Haverá disciplinas ensinando os jovens a falar com sotaque paulista e carioca? Para alegrar seu homenageado o SESC ensinará os benefícios do etnocídio? Demonstrará ser indispensável matar os índios, como no tempo colonial? Imagino a felicidade do Presidente com estas orientações! O SESC ensinará que o Brasil se desenvolverá com a destruição do sistema de ensino público superior e das instituições de pesquisa científica e desenvolvimento tecnológico? Não me estenderei em perguntas, prezado SESC. Mas não posso evitar um ponto crucial. Os alunos aprenderão que o melhor para o Brasil é obedecer incondicionalmente os Estados Unidos? Compreenderão que é bom para os brasileiros ver seu país achincalhado pelo pensamento democrático mundial? Um jurista conservador, Miguel Reale Jr, famoso por depor presidentes, está dizendo que Bolsonaro ataca "todas as classes que representam uma capacidade crítica". Considera Bolsonaro um fascista que quer anular a divergência. Reale quer derrubar Bolsonaro. Se conseguir, o SESC manterá a homenagem? Uma última perguntinha, juro. Aqueles dois leões colocados na entrada do Colégio, instalado em prédio tombado como patrimônio histórico nacional, é para mostrar que o SESC não liga para a legislação vigente, que proíbe alterar monumentos tombados, ou para me espantar? Prezado SESC, aguardo ansioso o desenvolvimento de seu projeto. Manuel Domingos