Julho das Pretas: Encontro de Mulheres Negras do Piauí abre inscrições

Encontro compõe o Julho das Pretas, que referencia o 25 de julho, Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha

Foto: REPRODUÇÃO/REDES SOCIAISRepresentantes do Instituto da Mulher Negra do Piauí em fevereiro de 2020
Representantes do Instituto da Mulher Negra do Piauí em fevereiro de 2020

O Encontro de Mulheres Negras do Piauí está com inscrições abertas para a terceira edição do evento. A inscrição é gratuita e pode ser feita por meio de um formulário, até às 15h de quarta-feira (14), data em que o evento inicia. O encontro acontece nos dias 16 e 17 de julho, transmitida em plataformas digitais.

Para a realização do evento, a Rede de Mulheres Negras do Piauí conta com o apoio do Ayabás - Instituto da Mulher Negra do estado e do Fundo Baobá, que visa promover equidade racial para a população negra.

De acordo com a presidente do Instituto Ayabás, Halda Regina, o encontro compõe o Julho das Pretas, que referencia o 25 de julho, Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha.

“O Julho das Pretas é uma agenda política. Um momento em que a gente reverbera o protagonismo das mulheres negras, e o Instituto realiza sua sétima edição no Piauí. O principal objetivo é visibilizar nossas ações cotidianas. A gente discute temas, aponta alternativas e saídas para o bem viver da população. A gente sabe que as mulheres negras são as que mais sofrem com violências, sejam sociais, culturais, políticas, físicas", afirmou Halda Regina.

A programação conta com discussões sobre intolerância religiosa, feminismo negro e outras questões que perpassam a vida de mulheres negras piauienses. Entre as convidadas estão representantes de entidades, professoras e especialistas.

Confira a programação na íntegra:

14 de julho, às 18h

-Abertura: Para o Brasil genocida, mulheres negras apontam a solução

- Debatedora: Maria Sueli, professora da Universidade Federal do Piauí

- Saudações: Halda Regina, do Instituto de Mulheres Negras do Piauí; Ayala Santeiro, da Articulação de Mulheres Negras do Brasil e Durvalina Lima, da Rede de Mulheres Negras do Nordeste.

- Mediadoras: Sônia Terra e Maria Madalena

16 de julho, de 14h às 19h

- Abertura: Basta de intolerância religiosa. Cultuar é resistir!

- Debatedora: Mãe Joelfa de Xangô, umbandista e assistente social; Gabriella Conde, contra mestra da Escola de Capoeira Angola Ifé; Assunção Aguiar, gerente de Igualdade Racial e Enfrentamento ao Trabalho Escravo; e Iyá Sônia Oliveira, presidente de honra do Instituto de Estudos e Pesquisa Sócio-étnico Racial Comunidade Ojú Ifá.

- Mediadoras: Halda Regina e Chitara Quilombola

17 de julho, de 14h às 19h

- Grupos de Trabalho “Jovens negras piauienses” e “Feminismo negro”

- Condução: Brenda Marques, do coletivo Afronte; Lara Danuta, do Ayabás; e Iraneide Soares, professora da Universidade Estadual do Piauí.

- Encerramento "Preta, por onde anda o autocuidado?"

Com informações do G1 Piauí