Faxineira aprende a escrever aos 50 e ganha concurso de poesia

Nilza vive em Venâncio Aires, no Rio Grande do Sul

Foto: DivulgaçãoNilza Marques
Nilza Marques

 

sonotiiciaboa - Após anos de dificuldades, a faxineira Nilza Marques, de 50 anos, voltou para a escola, aprendeu a escrever e hoje comemora a vitória de um concurso literário, com um poema que conta a história da vida dela.

Nilza vive em Venâncio Aires, no Rio Grande do Sul. Ela voltou para a escola por incentivo da família da casa onde trabalhava. Através do programa Educação de Jovens e Adultos (EJA), a faxineira teve a oportunidade de recuperar todos os anos de estudo perdidos do passado.

Já a participação do concurso, foi um incentivo da professora dela, Silvania Carvalho, que viu o quanto Nilza era esforçada e gostava de escrever. Para a educadora, o prêmio representa a muito para Nilza.

Passado difícil

Nilza começou a trabalhar aos 7 anos, quando pegou na enxada pela primeira vez e foi trabalhar na roça. Aos 12 anos, ela passou a ficar em casa para cuidar dos 8 irmãos, enquanto a mãe trabalhava para sustentar a família.

Quando Nilza chegou aos 18, ela dividia o dia entre dois trabalhos: de dia carregava fardos de tabaco em uma fumageira e, durante a noite era babá em uma casa de família.

Educação  

Foi por incentivo dos patrões que Nilza voltou para a escola. Durante quatro anos, a faxineira se dedicou à alfabetização e ela viu sua vida mudar.

O destino dos ônibus passou a ficar mais claro, os preços dos alimentos foram revelados e a alfabetização a fez entender e escrever sobre o passado dela.

“Aprendi muita coisa e quero aprender muito mais”, disse Nilza, que tem o apoio de colegas e dos chefes do laboratório Gassen, de Venâncio Aires, onde trabalha como faxineira.

“Tenho muito a aprender no EJA, mais dois ou três anos, e depois eu vou pensar no próximo passo. Se eu tiver forças quero aprender muito mais”, prometeu.

Vitória em concurso

Foi com o incentivo a professora, que Nilza se inscreveu no 12º Concurso Literário de Venâncio Aires, realizado durante 22ª Feira do Livro. O poema Recomeçar, foi escolhido como campeão e a vitória para a faxineira é muito maior do que muita gente imagina.

Leila Gassen, sócia-proprietária do laboratório, é testemunha do esforço de Nilza. Para ela, esse prêmio representa a grandeza da pessoa.

“Nesta idade conseguir trabalhar e se esforçar tanto, de onde ela veio, é admirável […] “Um esforço tremendo pra chegar onde chegou”, finalizou.

Leia a poesia de Nilza

“Recomeçar

Meu nome é Nilza, minha história vou contar

Com 7 anos apenas, comecei a trabalhar

Isso me afastou da escola e não pude mais estudar.

Por ser de família humilde, aos 12 anos fui trabalhar

Em uma casa de família, como babá.

Por sair cedo da escola

Não aprendi a ler

Cresci, e meu sonho

Achava que não ia acontecer

Foi então que um certo dia

Em uma casa fui trabalhar

Por não saber assinar meu nome

Minha patroa quis me ensinar

Apesar de ser difícil

Tinha vontade estudar

Meu horário não fechava

Por isso ficava a esperar

Até que um certo dia

Meu horário mudou

Fui na escola Dois Irmãos

E a vice diretora me matriculou

A partir daquele dia

Minha vida mudou

Estou aprendendo a ler

E a escrever como sou

Hoje leio Bíblia

Faço nota do mercado

Leio o preço das coisas

E tudo se transformou

Tenho certeza que ainda, muito vou aprender

Tenho 54 anos, muitos livros quero ler

Como diz nosso poeta, nunca é tarde para aprender.

Ouvi poemas de Bráulio Bessa

Que a professora levou

Vi que a leitura aproxima

E isso me motivou.”

Nilza Marques