Comercial Carvalho: mais de um ano após divisão, como estão as empresas?

Há pouco mais de um ano, maior rede de supermercados do Piauí se dividia em duas: R Carvalho e Vanguarda

Foto: PiauiHojeAgora as empresas são R Carvalho e Vanguarda
Agora as empresas são R Carvalho e Vanguarda

Fonte: Piauí Negócios 

O meio empresarial piauiense foi pego de surpresa quando, em maio de 2019, os sócios Reginaldo Carvalho e Van Fernandes anunciaram a separação da rede de supermercados Comercial Carvalho, a maior do Piauí. Afinal, enquanto as empresas cada vez mais procuram se fundir para cortar custos, o casal decidira dividir em dois o grupo, que em 2018 faturou R$ 1,5 bilhão nas 46 unidades espalhadas pelo Piauí e Maranhão.

A cisão, no entanto, foi a única saída para o casal que tinha cada vez mais tinha divergências na gestão da empresa. Pouco mais de um ano após a divisão do Grupo Carvalho em dois - R Carvalho, de Reginaldo Carvalho, e o Grupo Vanguarda, de Van Fernandes – o Piauí Negócios conversou com os ex-sócios para saber porque dividir uma empresa que vinha dando certo há mais de três décadas, inclusive no ranking das 50 maiores do setor supermercadista do Brasil.

A resposta: perfis muito diferentes e cada vez mais em choque. Enquanto Reginaldo Carvalho, na diretoria comercial e operacional sempre foi mais intuitivo, rápido e ansioso, Van Fernandes, à frente da diretoria administrativo-financeira, adotava uma gestão mais comedida, cautelosa, organizada.

“Até determinado ponto, essa diferença no modo de administrar dá certo, porque há um equilíbrio, mas depois de um certo tempo, não”, afirma Van Fernandes.

Apesar de trabalhem juntos desde o início do grupo, inclusive por serem também marido e mulher até 2013, quando decidiram pela separação conjugal, os dois empresários não conseguiam pôr fim aos conflitos na empresa.

Com o passar dos anos, os desajustes foram cada vez maiores, a ponto de ambos não sentirem mais prazer no trabalho, tamanho o desgaste. “Você ter um sócio em que não pode compartilhar os problemas, isso se torna um certo tormento. Foi assim nos cinco anos antes da divisão”, lembra a empresária.

Foto: Piaui NegóciosVan
Van

Van Fernandes acrescenta que o trabalho revela muito da identidade da pessoa e por isso, ele precisar ser uma fonte de prazer. “Quando a gente trabalha com prazer, os problemas que são inerentes à empresa se tornam menores. A gente não estava mais tendo prazer e atingia até os colaboradores, que ficaram inseguros por não saber que direcionamento seguir”, afirma.

Reginaldo Carvalho acrescenta que a separação familiar contribuiu para os conflitos, e depois as divergências foram aumentando. “Contratamos uma consultoria externa para tentar um consenso na administração, por meio de uma governança corporativa. Mas a própria consultoria chegou à conclusão que o melhor caminho era a separação das empresas”, afirma.

Assim, em 2017, a decisão de cisão foi tomada. A partir dali, começaram muitas reuniões entre os sócios para ver quem ficaria com o quê. “Não foi fácil, pois não era vantajoso financeiramente. Enquanto empresas mundo afora estavam se fundindo, nós estávamos dividindo. Chegamos a pensar na possibilidade de um ficar com os imóveis e outro com os supermercados, mas depois vimos que não daria certo”, lembra a empresária.

Mesmo com tantas divergências, a cisão ocorreu de forma harmônica, sem precisar de disputa judicial, como é comum em empresas muito grandes. “A participação profissional foi apenas do setor de contabilidade”, conta Reginaldo Carvalho.

Após esse primeiro ano, Van Fernandes comemora a decisão. “Estou mais confiante. Os desafios continuam, pois estou aprendendo a desenvolver as habilidades que ele tem e acredito que ele também está tentando praticar as ações que eu fazia antiga empresa. Só que, agora, cada um do seu jeito e como os pés no chão”, frisa Van.

Foto: GP1Reginaldo
Reginaldo

Apesar de concorrentes, Reginaldo e Van mantiveram o nome Carvalho nos supermercados, com algumas adaptações. O Grupo R Carvalho, de Reginaldo Carvalho, adotou o nome R Carvalho.  O Grupo Vanguarda, de Van Fernandes, adotou as bandeiras Carvalho Mercadão e Carvalho Super.

Apesar da divisão, os dois grupos continuam entre os 150 maiores em faturamento no ranking da Associação Brasileira de Supermercados (Abras). Cada um faturou em média R$ 700 milhões em 2019 e possuem mais de 2,5 mil funcionários em cada grupo.

Com a pandemia, alguns projetos do Carvalho Super foram antecipados, como a instalação dos self checkouts em algumas lojas, o e-commerce e o aplicativo. Neste mês de setembro, em que o antigo Grupo Carvalho faria 34 anos, o Carvalho Super está realizando sorteios a partir de R$ 80 em compras.

Veja também:

"O Estado brasileiro não atende o povo, por isso o alto preço do arroz" Samuel Costa

AO VIVO: Malu Aires fala ao pensarpiaui