Bolsonaro e o desmonte no BB: fechamento de 361 agências e demissão de 5 mil funcionários

Em comunicado ao mercado, Banco do Brasil anunciou "reestruturação" com a pretensão de demitir 5 mil funcionários até fevereiro

Foto: DivulgaçãoBanco do Brasil

Eleito com o neoliberal Paulo Guedes à tiracolo para cumprir as promessas ao sistema financeiro, Jair Bolsonaro iniciou nesta segunda-feira (11) o processo de desmonte do Banco do Brasil.

Em comunicado ao mercado, assinado pelo vice-presidente de Gestão Financeira e Relações com Investidores, Carlos José da Costa André, a instituição diz que vai fechar “361 unidades, sendo 112 agências, 7 escritórios e 242 Postos de Atendimento (PA)”.

Além disso, o BB lançou dois planos de “demissão voluntária”, com estimativa de demissão de 5 mil funcionários que se encontram na ativa.

“A estimativa do BB é que cerca de 5 mil funcionários venham a aderir aos dois programas de desligamento. O número final de adesões, assim como o respectivo impacto financeiro, serão informados ao mercado após o encerramento dos períodos de adesão que ocorrerá até 5 de fevereiro”, diz a nota.

Segundo o BB, o fechamento das unidades vai resultar em uma redução de gastos de R$ 353 milhões em 2021 e R$ 2,7 bilhões até 2025.

Veja o documento na íntegra:

/media/uploads/2021/01/11/banco-do-brasil.pdf