Bolsonaristas furam bloqueio e prometem invadir o STF

Ameaças de ruptura institucional após atos da militância bolsonarista em Brasília e em São Paulo aumentam tensão no Brasil

Foto: twitterBrasília
Brasília

Metrópoles - Ontem apoiadores de Jair Bolsonaro já lotavam a capital federal, munidos de bandeiras do Brasil e faixas. No fim da tarde dessa segunda-feira (6), grupos se reuniram em frente à barreira da polícia, na Esplanada dos Ministérios, e pressionaram até conseguir a liberação da via, que estava bloqueada desde domingo (5/9).

A intenção dos manifestantes era passear pelo local, com caminhões e carros de som. Após pressão dos bolsonaristas, a polícia liberou a via para os apoiadores do presidente.

Em nota, a Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) disse que, anteriormente, o combinado com a Secretaria de Segurança Pública era de que os veículos só seriam liberados a partir de 0h e que a antecipação “está sendo negociada”. No entanto, caminhões e ônibus foram autorizados a entrar e desfilaram pela Esplanada.

Também em nota, a Secretaria de Segurança do Distrito Federal (SSP/DF) informou que, “na noite desta segunda-feira, manifestantes romperam barreiras de contenção colocadas no início da via S1 para bloquear o trânsito de veículos".

Nas reuniões, realizadas previamente com os organizadores dos grupos manifestantes, ficou definido que os maquinários autorizados a participar do ato popular estariam liberados para serem estacionados ao longo da via N1, na madrugada de terça-feira (7). Importante ressaltar que a autorização permitia apenas exposição dos veículos, como já realizado anteriormente em outras manifestações.


A mobilização em Brasília começou bem antes do previsto. Tentando evitar desordem, a Polícia Militar do DF havia fechado a Esplanada dos Ministérios para o trânsito desde a noite de domingo (5/9), mas cedeu à pressão de manifestantes na noite de ontem e abriu a via para uma passeata de caminhões e ônibus que trouxeram milhares de pessoas para a capital.

A combinação era uma volta pela via, mas os veículos estacionaram nas seis faixas e centenas de pedestres começaram a ocupar a região com barracas e sacos de dormir, antecipando o ato. Alguns manifestantes chegaram a arrancar grades da barreira montada em frente ao Congresso, mas foram barrados por PMs e por colegas militantes.

A presença precoce de milhares de pessoas na Esplanada coloca em xeque a estratégia da PM, que seria de revistar todo mundo que entrasse na Esplanada nesta terça e impedir a presença de veículos – e de armas.

Eixos de apoio ao presidente

Os atos pró-governo contam com apoio de evangélicos, ruralistas, caminhoneiros e até de policiais militares. Setores mais radicais do bolsonarismo têm pedido que o presidente Jair Bolsonaro, por ser o comandante supremo das Forças Armadas, tome medidas mais drásticas contra seus antagonistas. Na Esplanada, na noite de ontem, já havia profusão de cartazes com pedidos golpistas desse tipo, apesar de a pauta oficial das manifestações ser a “liberdade de expressão”.

Nas últimas semanas, bolsonaristas foram alvos de mandados de busca e apreensão e de prisão, pedidos pela Procuradoria-Geral da República e autorizados pelo ministro do STF Alexandre de Moraes, devido ao extremismo adotado durante a convocação das manifestações.

O que esperar de hoje?

O diretor presidente do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, Renato Sérgio de Lima, aposta haver uma considerável possibilidade de episódios de violência nesta terça. Ele diz que o cenário é imponderável e que qualquer faísca pode levar a uma guerra aberta. “Todas [capitais] têm cenários de contingência. É torcer pra que funcionem e que não aconteçam depredações”, afirma.

“Os comandos estão preparados, ninguém vai ser pego de surpresa, mas todos sabem que têm um desafio. É como fazer policiamento de torcida de futebol, saber que o confronto está sendo pensado. Então, é ir pra administrar grupo que quer brigar com outro”, continua, em conversa com o Metrópoles.

Análise política

O cientista político Eduardo Grin, do Centro de Estudos em Administração Pública e Governo (CEAPG) da FGV, diz que o ato se mostra mais uma estratégia do presidente Bolsonaro para manter a “tropa unida”.

“Toda vez que alguma questão concreta o afeta, ou ao governo dele ou a família dele, o presidente desvia a atenção e cria fatos. Daqui a uma ou duas semanas, ele vai criar um outro fato, pois ele precisa manter essa tropa organizada, e não tem outro caminho. Se sai disso, não tem a mínima chance de chegar ao segundo turno”, avalia o especialista.

Grin afirma também que, apesar da apreensão gerada em torno do ato, não há “clima” para ruptura institucional, uma vez que ele não tem apoio da imprensa nem da maioria da população, tampouco de organismos internacionais. Isso não quer dizer, contudo, que Bolsonaro não esteja enfraquecendo a democracia.

“Bolsonaro estará jogando nesta terça mais fichas no jogo, mais gasolina no fogo, porque ele não tem mais alternativa. Imagina um presidente recuado nessa hora? Por outro lado, uma vez sentindo o cheiro da garrafa, não se controla o que vai acontecer”, prossegue o especialista.

Por outro lado, o cientista político Ricardo Caldas, professor da Universidade de Brasília (UnB), diz não ver nenhuma ameaça concreta à democracia no ato desta terça-feira, mas, sim, uma queda de braço entre o governo a a oposição, uma disputa de retórica.

“Não vejo escalada autoritária. O que vejo é o governo mostrando a sua agenda. O presidente Jair Bolsonaro foi eleito dentro de um modelo populista. Isso é baseado na reação direta do líder com a base. Então, a essência do governo Bolsonaro é essa mobilização. Ele é um fim em si mesmo, para negociar com os adversários e trazer pessoas para a base do governo”, conta.

“As coisas estão dentro da democracia. Até o pedido de impeachment contra o ministro Alexandre de Moraes foi totalmente feito dentro das normas previstas no Senado. E, da mesma forma, o presidente do Senado rejeitou o pedido. Quer uma prova maior de funcionamento da democracia do que isso? Então, entendo que ele quer mostrar que ele tem apoio popular e que os institutos de pesquisas não estão mostrando a verdadeira situação política do país”, prossegue Caldas.

O ex-ministro do Supremo Tribunal Federal Marco Aurélio Mello disse esperar “temperança, compreensão e entendimento” do presidente Jair Bolsonaro durante e após as manifestações marcadas para esta terça-feira.

“Espero [de Bolsonaro] temperança, compreensão e entendimento para se trabalhar ao povo brasileiro. Nós temos de presumir o que normalmente ocorre. É suficiente para nos preocupar a crise de saúde e a crise social; não precisamos de crise política. Espero que ele, que tem mais um ano e meio de mandato pela frente, simplesmente trabalhe e faça o melhor para o Brasil”, assinalou o magistrado, em conversa com o Metrópoles.

Por fim, Marco Aurélio criticou o Inquérito das Fake News, ao classificá-lo como “natimorto”, e pontuou que a “corda foi muita esticada, e foi esticada de ambos os lados. Penso que o Judiciário também esticou a corda”.

Dissidentes

Plinio Dias, presidente do Conselho Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas (CNTRC), garante que a entidade não está envolvida na organização de atos e que a categoria não é obrigada a apoiar as manifestações.

“Não estamos apoiando isso porque não é pauta dos caminhoneiros. Isso e uma ação popular e vai quem quiser”, explicou.

Denilson Campos Neves, fundador do movimento Policiais Antifascismo, salienta que está “apreensivo” com a realização e a repercussão dos atos.

“O lugar que provavelmente terá movimentos mais radicais é Brasília e São Paulo”, pondera. Ele reforça. “Nada que vá romper o tecido democrático a ponto de ter um golpe”, sinaliza.

O policial reclama da ameaça de punição por parte de governadores. Segundo ele, ao menos nove estados indicaram penalidades para policiais que participarem dos atos. “Isso inibiu a categoria”, frisa.