Após criticar reajustes da Petrobras, Bolsonaro troca ministro de Minas e Energia

No lugar de Bento Costa Lima Leite, assume Adolfo Sachsida

Foto: Montagem pensarpiauíBento Costa Lima Leite e Adolfo Sachsida
Bento Costa Lima Leite e Adolfo Sachsida

Yahoo - Depois de chamar de "crime" a política de preços da Petrobras, o presidente Jair Bolsonaro (PL) trocou o comando do Ministério de Minas e Energia.

No lugar de Bento Costa Lima Leite, que pediu para ser exonerado, assume Adolfo Sachsida. As informações são com base na edição de hoje do Diário Oficial da União (DOU).

Na live do último dia 5, Bolsonaro criticou o lucro da Petrobras, chamando-o de absurdo e abusivo. "O lucro de vocês é um estupro, é um absurdo", declarou o presidente.

A Petrobras registrou lucro líquido de R$ 44,561 bilhões no primeiro trimestre deste ano. O resultado é bem maior que o de R$ 1,16 bilhão obtido no mesmo período do ano passado, quando a empresa ainda sofria os impactos da pandemia.

É uma alta de 3.718,4% na comparação com o mesmo período do ano passado.

Bento é o 3º a cair após críticas do Bolsonaro sobre preços

O almirante Bento Albuquerque, que era ministro de Minas e Energia desde o início da presidência de Bolsonaro, é o terceiro nome do governo a cair em meio à críticas do presidente sobre a política de preços da Petrobras.

Na segunda-feira, a estatal reajustou o preço do diesel nas refinarias em 8,87%. Este ano, o combustível já acumula alta de 47%. O preço da gasolina nas bombas também está em patamar recorde.

Em fevereiro do ano passado, também em meio a uma forte alta nos preços dos combustíveis, Bolsonaro demitiu o então presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, que estava no cargo desde o início do governo.

E, em março deste ano, o substituto de Castello Branco, o general Joaquim Silva e Luna, foi demitido também em meio a críticas do presidente Bolsonaro à alta de preços da Petrobras

Quem é Adolfo Sachsida, novo ministro de Minas e Energia

O novo ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, está no governo Bolsonaro desde o início e é servidor de carreira do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

No Ministério da Economia, foi secretário de Política Econômica da pasta desde o início da gestão, e assumiu a chefia da Assessoria Especial de Assuntos Estratégicos em fevereiro deste ano.
Doutor em economia pela Universidade de Brasília (UnB), ele tem pós-doutorado pela Universidade do Alabama, nos Estados Unidos, e também lecionou na Universidade do Texas.

O novo ministro é advogado, com estudos na área de direito tributário.


Nas redes sociais, Sachsida agradeceu Bolsonaro pela nomeação e classificou que o comando da pasta de Minas e Energia é "maior desafio profissional da carreira".