Afinal, para que servem os militares no governo de Bolsonaro?

Só em 2020, o número de cargos civis entregues a militares subiu 122%.

Foto: Brasil 247Bolsonaro
Por conta de sua má relação com o Congresso, Bolsonaro se cerca de militares em seu governo

Jair Bolsonaro instituiu um governo militar e aparelhou a máquina pública desde que chegou ao poder, segundo levantamento do Tribunal de Contas da União. "Em 2018, havia 2.765 militares em cargos civis do governo federal. Em 2019, o número chegou a 3.515 cargos destinados a servidores oriundos da caserna. E em 2020, o total chegou a 6.157, um aumento de 122%", aponta reportagem do jornal O Globo, assinada pelo jornalista Vinícius Sassine.

"Os dados mostram que já atuam no Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) 1.969 militares da reserva. Eles têm contratos temporários, numa estratégia definida para tentar reduzir a fila de processos de aposentadoria e outros benefícios à espera de uma deliberação do órgão. Antes de 2020, no período levado em conta para a comparação, não havia esse tipo de contrato destinado a militares da reserva", mostra ainda a reportagem.

Fica o questionamento: Para que servem as Forças Armadas?

O jornalista Mario Vitor Santos, em entrevista à TV 247, falou sobre a participação de militares no governo Bolsonaro. Em desabafo, Mario disse que depois do golpe de 2016 e das cenas de submissão explícita aos Estados Unidos, o Brasil terá que discutir até a extinção das Forças Armadas para reconstruir sua democracia.

Foto: FlickrMario Vitor Santos, jornalista
Mario Vitor Santos, jornalista

O jornalista afirmou que é preciso abandonar a ideia de que as Forças Armadas são despolitizadas e disse ser necessário disputar política também dentro dos quartéis. "Eles fazem política sempre, sempre fizeram política, não temos que ficar mais com ilusões e idealizações em relação ao papel dos militares. Os militares são políticos, especialmente no Brasil, em todos os países, mas no Brasil são força política de facções políticas, um partido político e um sindicato politizado, armado. Temos que assumir isso e partir para disputar política lá dentro com eles. Eles não deixarão de ser politizados, serão politizados sempre", falou 

Mario também disse que é preciso construir mais meios de controle das Forças Armadas por meio da política para que os militares não se tornem, mais uma vez, fatores de golpe de Estado e não se voltem ainda mais contra interesses brasileiros.

Opiniões de políticos sobre o assunto:

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), comentou em sua página no Twitter, neste sábado (18), o aumento de 122% no número de militares com cargos no governo. 

Flávio Dino, que foi juiz federal, afirmou que o número recorde de militares no governo é inconstitucional e inconveniente.

"Para vislumbrar a inconstitucionalidade e inconveniência, basta imaginar o contrário: servidores civis sendo nomeados para comandar batalhões do Exército. Ou mesmo para exercer o próprio Comando do Exército", apontou.

Haddad alerta: militares podem usar orçamento público para pagar guerra contra a Venezuela

Foto: Pt.org.brHaddad
Haddad

O ex-prefeito Fernando Haddad, presidenciável do Partido dos Trabalhadores, criticou o pedido de verba de R$500 bilhões a mais nos próximos anos no momento em que o Brasil se coloca a serviço dos Estados Unidos e muda a Política Nacional de Defesa.

Haddad teme que os militares brasileiros queiram usar o orçamento público brasileiro para promover uma guerra contra a Venezuela. "O que os generais bolsonaristas pretendem com R$500 bilhões a mais no seu orçamento em dez anos?", questiona Haddad, em sua coluna na Folha de S. Paulo.

"O Plano Nacional de Defesa bolsonarista dá a pista. O texto, ao qual a imprensa teve acesso, destaca a possibilidade de 'tensões e crises' no continente que poderiam obrigar o Brasil a mobilizar esforços na defesa de interesses do Brasil na Amazônia e Atlântico Sul (pré-sal)", prossegue o ex-prefeito. Tamém questionou "se o contribuinte brasileiro também vai pagar por uma guerra que não é nossa contra um vizinho que nunca representou uma ameaça à soberania brasileira". O alerta também foi feito pelo ex-presidente Lula nesta sexta (17).

Opinião do Pensar Piauí 

Recentemente, o jornalista Oscar de Barros fez uma análise sobre qual é a real função das Forças Armadas para o país, principalmente, no atual governo de Jair Bolsonaro.

Confira o vídeo na íntegra: