A ursa Marsha morreu e mesmo assim continua gerando polêmica

A ursa Marsha morreu e mesmo assim continua gerando polêmica

Foto: Googleursa Marsha
ursa Marsha

Por Sâmia Menezes, jornalista Dez meses após a transferência do zoológico de Teresina para o Rancho dos Gnomos, em São Paulo, e com 80 quilos ganhos a ursa Marsha (renomeada Rowena) veio a óbito, de acordo com os médicos veterinários em decorrência de um tumor ovariano com repercussão no cérebro. A ursa viveu 25 anos num circo no Maranhão e há sete anos fora resgatada junto com mais três ursos, ocasião em que foi doada ao Zoológico de Teresina. Durante o período em que viveu no circo era alimentada com ração de cachorro. O fato é que a ursa morreu e continua rendendo calorosas discussões na internet. O jornalista Mauro Sampaio, através da sua página no Facebook, externou: "A ridícula campanha para retirar de Teresina a “ursa mais triste do mundo”. Depreciaram a capital do Piauí, como um lugar inóspito por causa do calor. Marsha foi salva pelo zoológico de Teresina de um circo decadente no interior do Pará. Ela, idosa, teve vida digna no calor do nosso sertão. Apareceu um povo de fora e convenceu nativos de que era necessário tirar Marsha do zoo. De que adiantou essa “marcha inconsequente"?" Mauro compartilhou post do também jornalista Kernard Kruel no qual este indagava "e agora, canalhas? o que dizer?". A expressão rendeu comentários que o levaram a formular o texto que agora pode ser visto assim: "LUTO - A ursa Marsha, resgatada de um circo, vivendo sob maus tratos, foi recebida no Zoobotânico de Teresina, onde teve tratamento de equipe veterinária e de outros profissionais, com acompanhamento do diretor Jose Renato Uchoa. Alegaram que em Teresina ela não estava confortável por conta do calor, mesmo com instalação de vários chuveiros e de uma piscina construída especialmente para ela. Foi transferida para o Rancho dos Gnomos, em São Paulo, em setembro do ano passado, num avião da Força Aérea Brasileira - FAB. Ali recebeu o nome de Rowena e a promessa de que teria tratamento que não estava tendo em Teresina. Resultado: faleceu quarta-feira (24)." A polêmica se deu sob a análise se a ursa era ou não bem tratada no zoológico de Teresina e se deveria ou não ter sido tirada dali. "Animais têm que ficar na natureza onde vivem. Aliás, seres vivos morrem até quando vivem bem, lá onde nasceram. Chamar de canalha quem percebeu o absurdo a que a ursa estava submetida, sabe-se lá a troco de quê, não parece ser uma boa saída para o caso, muito menos enaltecer à altura dos anjos do céu profissionais que apenas fazem o seu trabalho, como tantos outros, muitas vezes, inclusive de maneira questionável, por que não?", observou Manoel Ciríaco. Para Kernard, a ursa saiu de um lugar onde estava sendo bem tratada por profissionais sérios e comprometidos. "(...) “ambientalistas” convenceram “ingênuos” teresinenses de que uma ursa fora do seu habitat, escravizada por um circo, resgatada idosa para viver dignamente no zoo da cidade, era o animal mais triste do mundo porque vivia num lugar quente. Palhaçada!", retrucou Mauro Sampaio. A ativista Luísa Mell, responsável pela transferência da ursa, fez um post em homenagem à ursa nas suas redes: "Com o coração em pedaços. É como me sinto por saber que nossa ursa Rowena, faleceu. Depois de tanto sofrimento, décadas de exploração, quando ela finalmente encontrou a paz, Deus a levou. Quero acreditar que ela cumpriu sua missão aqui e em paz, livre da exploração e do sofrimento que passou durante mais de 30 anos, descansou. Que sua vida, que sua existência, não tenham sido em vão, mas sirvam de exemplos para que a exploração do tráfico de animais, circos e zoológicos não façam mais vítimas como ela! Esteja onde estiver, saiba que eu a amei com todo o meu coração e tenho por você o mais profundo respeito. Em nome de toda a humanidade, me desculpe por todo o sofrimento que nós, humanos, lhe causamos e obrigada por ter me dado a honra de ajuda-la e de poder amá-la. Prometo que, enquanto viver, preservarei sua memória. Descanse em paz. Obrigada também a cada pessoa que direta ou indiretamente se envolveu em seu resgate e ajuda, especialmente ao Rancho dos Gnomos nas pessoas do Marcos e Silvia, que dedicavam-se diariamente a ela."